.>
28
março
2014
1964
Glossário dos principais verbetes e links/referências

AI 5
O Ato Institucional nº 5, ou AI-5, foi o quinto de uma série de decretos emitidos pelo regime militar brasileiro nos anos seguintes ao Golpe Civil-Militar de 1964. Em 13 de dezembro de 1968, 24 homens que comandavam a ditadura militar brasileira  reuniram-se com o então presidente Arthur da Costa e Silva, para editar o decreto que marcou o início do período mais duro da ditadura  O AI-5 deu ao regime uma série de poderes para reprimir seus opositores: fechar o Congresso Nacional e outros legislativos (medida regulamentada pelo Ato Complementar nº 38), cassar mandatos eletivos, suspender por dez anos os direitos políticos de qualquer cidadão, intervir em estados e municípios, decretar confisco de bens por enriquecimento ilícito e suspender o direito de habeas corpus para crimes políticos. O ministro da Justiça, Gama e Silva, anunciou as novas medidas em pronunciamento na TV, à noite. Os primeiros efeitos do AI-5 foram percebidos naquela mesma noite. O Congresso é fechado. O ex-presidente Juscelino Kubitschek, ao sair do Teatro Municipal do Rio – onde tinha sido paraninfo de uma turma de formandos de engenharia–  foi levado para um quartel em Niterói, onde permaneceu preso num pequeno quarto por vários dias. O governador Carlos Lacerda foi preso no dia seguinte pela PM da Guanabara. Após uma semana em greve de fome, conseguiu ser libertado.
Veja a lista dos 24 que estavam na reunião e como votaram: http://www1.folha.uol.com.br/folha/treinamento/hotsites/ai5/ 
O AI-5 foi extinto apenas dez anos depois, em dezembro de 1978, pelo presidente Ernesto Geisel, dando início a uma “abertura lenta e gradual”.
No ano seguinte, 1979, a lei da Anistia foi promulgada pelo presidente João Batista Figueiredo, concedendo anistia aos cassados pelo regime militar e também aos membros do governo acusados de tortura.
 
 
ANISTIA
Perdão dado de maneira generalizada. 
Absolvição que, dada através de ato público, concede o perdão por crimes políticos. 
A palavra vem do grego amnestía, que significa "esquecimento".
Anistia é o ato do poder legislativo pelo qual se extinguem as consequências de um fato que em tese seria punível e, como resultado, qualquer processo sobre ele. É uma medida ordinariamente adotada para pacificação dos espíritos após motins ou revoluções. 
 
 

CASSAR
(=anular)
Cassação é uma punição que tolhe ao condenado o direito de ocupar um cargo público e de ser eleito a qualquer outra função por um determinado período de tempo.A cassação é a extinção do direito porque o destinatário descumpriu condições que deveriam permanecer atendidas, a fim de poder continuar desfrutando de sua posição.

Durante a ditadura militar, cassações eram constantes e bastante arbitrárias.

 
 
DECLARAÇÃO UNIVERSAL DOS DIREITOS HUMANOS
A Declaração Universal dos Direitos Humanos (DUDH) foi aprovada em 1948 na Assembleia Geral da Organização das Nações Unidas (ONU). O documento é a base da luta universal contra a opressão e a discriminação, defende a igualdade e a dignidade das pessoas e reconhece que os direitos humanos e as liberdades fundamentais devem ser aplicados a cada cidadão do planeta.
Quando a Declaração Universal dos Direitos Humanos começou a ser pensada, o mundo ainda sentia os efeitos da Segunda Guerra Mundial, encerrada em 1945.
Outros documentos já haviam sido redigidos em reação a tratamentos desumanos e injustiças, como a Declaração de Direitos Inglesa (elaborada em 1689, após as Guerras Civis Inglesas, para pregar a democracia) e a Declaração dos Direitos do Homem e do Cidadão (redigida em 1789, após a Revolução Francesa, a fim de proclamar a igualdade para todos).
Depois da Segunda Guerra e da criação da Organização das Nações Unidas (também em 1945), líderes mundiais decidiram complementar a promessa da comunidade internacional de nunca mais permitir atrocidades como as que haviam sido vistas na guerra. Assim, elaboraram um guia para garantir os direitos de todas as pessoas e em todos os lugares do globo.
 
Veja o texto integral da Declaração em:
http://unicrio.org.br/img/DeclU_D_HumanosVersoInternet.pdf
referência:
http://www.brasil.gov.br/cidadania-e-justica/2009/11/declaracao-universal-dos-direitos-humanos-garante-igualdade-social
 
 

DEMOCRACIA
Democracia é o governo no qual o poder e a responsabilidade cívica são exercidos por todos os cidadãos, diretamente (Democracia Direta) ou através dos seus representantes livremente eleitos (Democracia Representativa).

Embora existam pequenas diferenças nas várias democracias, certos princípios e práticas distinguem o governo democrático de outras formas de governo.

O termo origina-se do grego antigo δημοκρατία (dēmokratía ou "governo do povo"), que foi criado a partir de δῆμος (demos ou "povo") e κράτος (kratos ou "poder"), no século V a.C., para denotar os sistemas políticos então existentes em cidades-Estados gregas, principalmente Atenas. 

Não existe consenso sobre a forma correta de definir a democracia, mas a igualdade, a liberdade e o Estado de direito foram identificadas como características importantes desde os tempos antigos. Esses princípios são refletidos quando todos os cidadãos elegíveis são iguais perante a lei e têm igual acesso aos processos legislativos. 

Por exemplo, em uma democracia representativa, cada voto tem o mesmo peso, não existem restrições excessivas sobre quem quer se tornar um representante, e a liberdade de seus cidadãos é protegida por uma constituição.

A democracia baseia-se nos princípios do governo da maioria associados aos direitos individuais e das minorias. Todas as democracias, embora respeitem a vontade da maioria, devem proteger os direitos fundamentais dos indivíduos e das minorias, como a liberdade de expressão e de religião; o direito a proteção legal igual; e a oportunidade de organizar e participar plenamente da vida política, econômica e cultural da sociedade.

 

DESAPARECIDOS POLÍTICOS

Chamam-se desaparecidos políticos no Brasil os militantes de organizações de oposição à ditadura militar (1964-1985) cujo paradeiro é desconhecido ou cuja morte é presumida, embora não comprovada. A responsabilidade por esses desaparecimentos forçados durante a ditadura tem sido atribuída a organizações do Estado brasileiro ou a terceiros - com autorização, apoio ou consentimento dos governantes da época.
Segundo a “Comissão de Familiares de Mortos e Desaparecidos Políticos”, o regime militar instaurado em 1964 levou à morte 380 pessoas, entre as quais 147 desaparecidos, termo usado para se referir àqueles cujos corpos jamais foram entregues às famílias. 

 

DIREITOS HUMANOS 
Direitos humanos são direitos e liberdades a que todos têm direito, não importa quem sejam nem onde vivam. Para viver com dignidade, os seres humanos têm o direito de viver com liberdade, segurança e um padrão de vida decente.
Os direitos humanos não precisam ser conquistados – eles já pertencem a cada um de nós, simplesmente por sermos seres humanos. Não podem ser retirados de nós – ninguém tem o direito de privar qualquer pessoa de seus direitos. 
 
Os direitos humanos são protegidos sob o direito internacional, fundamentados na Declaração Universal dos Direitos Humanos. A Declaração expressa a busca pela dignidade humana e faz os governos se comprometerem com a defesa dos direitos humanos de todos. Nos mais diferentes lugares do planeta, as pessoas seguem lutando para que essa promessa se torne realidade.

 

DITADURA
Ditadura é um regime governamental no qual todos os poderes do Estado estão concentrados em um indivíduo, um grupo ou um partido. É um regime antidemocrático em que não existe a participação da população e qualquer oposição ao governo é proibida e condenada.

Geralmente, a ditadura é implantada através de um golpe de estado.
A ditadura militar é uma forma de governo em que o poder é totalmente controlado por militares. Esse tipo de regime foi muito comum na América, especialmente no Brasil, onde durou mais de 20 anos.

Mas nem sempre as ditaduras se dão por golpe militar: podem surgir por golpe de Estado civil ou a partir de um grupo de governantes democraticamente eleitos que usam a lei para preservar o poder, como aconteceu, por exemplo, na ditadura imposta por Adolf Hitler na Alemanha nazista: o golpe se desencadeou a partir das próprias estruturas de governo, com o estabelecimento de um estado de exceção e posteriormente, a supressão dos outros partidos e da normalidade democrática.

 
GOLPE
Golpe de Estado, consiste na derrubada ilegal de um governo constitucionalmente legítimo. Os golpes de Estado podem ser violentos ou não, e podem corresponder aos interesses da maioria ou de uma minoria.
Alguns golpes de Estado caem na categoria dos golpes militares, em que unidades das forças armadas ou de um exército popular conquistam alguns lugares estratégicos do poder político para assim forçar a rendição do governo. 
Tem este nome de golpe porque se caracteriza por uma ruptura institucional repentina, contrariando a normalidade da lei e da ordem e submetendo o controle do Estado (poder político institucionalizado) a pessoas que não haviam sido legalmente designadas (fosse por eleição, hereditariedade ou outro processo de transição legalista).
Assim, a expressão golpe de Estado foi criada para designar a tomada de poder por vias excepcionais, à força, geralmente com apoio militar ou de forças de segurança.
Outros aspectos comuns que acompanham (antecedendo ou sucedendo) um golpe de Estado são:
• suspensão do Poder Legislativo, com fechamento do congresso ou parlamento;
• prisão ou exílio de oposicionistas e membros do governo deposto;
• intenso apoio de determinados setores da sociedade civil;
• instauração de regime de exceção, com suspensão de direitos civis, cancelamento de eleições e decretação de estado de sítio, estado de emergência ou lei marcial;
instituição de novos meios jurídicos (decretos, atos institucionais, nova constituição) para legalizar e legitimar o novo poder constituído.
 
 
REVOLUÇÃO
Revolução significa uma transformação profunda, um movimento de grandes proporções que rompe com o que existia até então. Geralmente, ela surge das bases da sociedade e envolve uma grande quantidade de pessoas, alterando as estruturas políticas, econômicas e sociais. A Revolução Francesa de 1789, é um bom exemplo. Ela contou com o envolvimento popular nas cidades e no campo e transformou a ordem vigente. 
 
As revoluções têm ocorrido durante a história da humanidade e variam muito em termos de métodos, duração e motivação ideológica. Podem dar-se por formas pacíficas ou violentas. Seus resultados incluem grandes mudanças na cultura, economia, e drástica mudança das instituições e ideários sociopolíticos.
  
 
TORTURA
Tortura é a imposição de dor física ou psicológica por crueldade, intimidação, punição, para obtenção de uma confissão, informação ou simplesmente por prazer da pessoa que tortura.
Métodos deliberadamente dolorosos de execução por crimes graves foram parte da Justiça até o desenvolvimento do Humanismo, na filosofia do século XVII. Na Inglaterra, as penas cruéis foram abolidas pela Declaração de Direitos de 1689. Durante o Iluminismo desenvolveu-se no mundo ocidental a ideia de direitos humanos universais . A adoção do Declaração Universal dos Direitos Humanos, em 1948, marca o reconhecimento, pelo menos formal, da proibição da tortura por todos estados membros da ONU. 
A tortura foi proibida pela Terceira Convenção de Genebra (1929) e por convenção das Nações Unidas, adotada pela Assembleia Geral em 10 de dezembro de 1984 e ratificada pelo Brasil apenas em 28 de setembro de 1989. A tortura constitui uma grave violação dos Direitos Humanos, não obstante ainda ser praticada no mundo, frequentemente coberta por uma definição imprecisa do conceito nas legislações locais.
 
 
 
 
 
Referências
http://www.infoescola.com/historia/golpe
http://cpdoc.fgv.br/producao/dossies/FatosImagens/Golpe1964
http://www.memoriasreveladas.arquivonacional.gov.br/campanha/exilados-e-banidos-da-vida-publica/
http://www.documentosrevelados.com.br/repressao/conheca-os-desaparecidos-politicos-do-brasil-2/
http://arte.folha.uol.com.br/treinamento/2014/01/05/50-anos-golpe-64/
http://www.brasil247.com/pt/247/artigos/132872/Golpe-de-64-revolução-para-quem.htm 
http://educacao.uol.com.br/noticias/2014/03/27/1964-golpe-ou-revolucao.htm
http://saibahistoria.blogspot.com.br/2011/08/diferenca-entre-revolucao-e-golpe.html
http://anistia.org.br/direitos-humanos
http://www.dicionarioinformal.com.br/cassação/
http://www.brasilescola.com/gramatica/cacar-ou-cassar.htm


 

videos
http://www.memoriasreveladas.arquivonacional.gov.br/campanha/galerias/videos.htm

28
março
2014
Golpe de 64 - programação do Ítaca

Imagens de trabalhos dos alunos

 

Pelo Brasil afora, este foi um mês de rememorar um período de nossa história: faz 50 anos que ocorreu o Golpe Militar que deu início a duas décadas, pelo menos, de ditadura no país.

No Ítaca, o projeto de relembrar esse período, entendê-lo e refletir sobre ele abrangeu o Ensino Fundamental I, o Ensino Fundamental II e o Ensino Médio. Foram aulas, debates, encontros, trabalhos de alunos, visitas a museus, depoimentos de quem viveu aquilo tudo, visando não só aos fatos de então, mas também a esta nossa sociedade hoje, passadas essas cinco décadas.

 

Veja a programação que fizemos na escola

 

EF 1 – Semanas de 17 a 31 de março – Resgate de Memórias

Alunos de 4º e 5º ano EF1 – ouviram depoimentos de pais, avós, parentes e conhecidos em geral

 

EF 2 – Semanas de 17 a 31 de março – Visita ao Memorial da Resistência com alunos do 7º ao 9º ano.

Houve leitura de textos e debates.

 

EM - O QUE RESTA DA DITADURA: 50 anos do Golpe Militar no Brasil

DIA 13/3 (5ª-feira): Exibição do vídeo 15 Filhos (Maria de Oliveira e Marta Nehring, 1996)
Aula da prof.ª Ciça Jorquera: Breve história do Golpe.

DIA 18/3 (3ª-feira): Exibição do filme Que bom te ver viva (Lucia Murat, 1989) 

DIA 21/3 (6ª-feira): Depoimento aos alunos de militante político à época. 

DIA 25/3 (3ª-feira): Conversa com os profs. Renato Izabela e Fernando  Vidal: Arte e Resistência.
Exibição de vídeos, imagens, músicas.

DIA 26/3 (4ª-feira):  Conversa com o prof. Maurício Costa: Exceção hoje.

DIA 28/03 (6ª feira) – Cine-debate sobre o filme “Zuzu Angel”, organizado pelo Grêmio do Ítaca, com a participação de alunos do EF2 e EM e ex-militantes políticos convidados. Debate sobre os aspectos da militância na época da ditadura e atualmente.

DIA 31/3 (2ª-feira): Mesa de discussão/análise/reflexão, com convidados: O que resta da ditadura?

27
março
2014
Uma exposição sobre a história e os direitos dos indígenas

No próximo dia 31 de março de 2014 será aberta a exposição Povos Indígenas no Brasil 1980/2013 – Retrospectiva em Imagens da Luta dos Povos Indígenas no Brasil por seus Direitos Coletivos, promovida pela Embaixada da Noruega e pelo Instituto Socioambiental (ISA),

A exposição traz momentos e personagens históricos, retratados em um período de 33 anos no qual os povos indígenas saíram da invisibilidade para entrar de vez no imaginário e na agenda do Brasil contemporâneo.

O marco desse processo foi a inclusão dos direitos indígenas na Constituição. Entre outros temas, as imagens retratam:
•  a participação indígena na Constituinte (1986-1988),
•   a batalha pelo reconhecimento das Terras Indígenas
•   a resistência às invasões de garimpeiros e madeireiros, o apoio de músicos como Sting e Milton Nascimento
•   a apropriação das tecnologias do homem branco
•   as ameaças aos últimos povos “isolados”
•   as mobilizações recentes pela garantia de seus direitos.

Uma verdadeira aula de história do Brasil para crianças e adolescentes.
A ideia é oferecer aos estudantes não somente informações sobre a história da luta indígena por seus direitos, mas também sensibilizá-los para a sociodiversidade indigena no país, como dados sobre a população atual, seus modos de vida, lideranças mais atuantes, entre outros.

Parque do Ibirapuera - Arena de Eventos (portão 10)
1º a 22 de abril de 2014

das 8h30 às 18h30
de segunda a sábado

19
março
2014
Olímpiada Brasileira de Astronomia e Aeronáutica - inscreva-se!

Mais uma vez, com o objetivo de proporcionar ao aluno uma oportunidade de conhecer melhor o seu domínio de astronomia, astronáutica e astrofísica, nosso colégio fará parte dessa olimpíada. 

Para participar é preciso:

• Fazer a sua inscrição com seu professor de Ciências ou Física o quanto antes, sendo o limite máximo dia 12/05.

• Realizar, se quiser, as atividades práticas que estão disponíveis no link: 

• Fazer a prova no dia 16/05, sexta-feira. O horário será agendado posteriormente.

Não é obrigatório que os alunos se preparem previamente para prova.

Maiores informações sobre o conteúdo da prova, provas e gabaritos anteriores ou curiosidades, acessem o site da OBA

Qualquer dúvida também pode ser conversada com seus professores.

Participe! É uma excelente chance de fazer uma prova de forma mais descontraída e sem obrigações de notas!

 

17
março
2014
O código Voynich

O manuscrito Voynich, uma publicação de aproximadamente 600 anos, em formato de bolso e com 240 páginas, é um enigma que intriga estudiosos de várias áreas: especialistas em códigos criptografados, físicos, botânicos, entre outros.

Isso porque está escrito em linguagem indecifrável, e da direita para a esquerda (Leonardo da Vinci já escrevia assim, espelhado, mas em uma língua conhecida). O manuscrito enigmático é repleto de ilustrações botânicas, científicas e figurativas. O que se sabe é que foi comprado por 600 ducados de ouro, pelo imperador Rudolph II da Alemanha, no final do séc. XVI, e depois ficou desaparecido até ser adquirido, em 1912, na Itália, pelo livreiro polonês Wilfrid Voynich. Hoje em dia, encontra-se na Universidade de Yale (EUA). 

As 240 páginas do manuscrito são ricamente ilustradas, com imagens de plantas e corpos celestes, o que sugere que se trate de um texto sobre ervas e astrologia, mas seu conteúdo continua um enigma. Algumas folhas têm várias vezes o tamanho do livro, quando desdobradas. A temática dos desenhos é a única pista sobre os assuntos de que trata cada seção:  metade do volume retrata plantas inteiras, a maioria não identificada (três delas o foram, mas as espécies ocorrem em várias partes do mundo, não ajudando a localizar sua origem); segue uma seção astrológica, com desenhos do Sol, da Lua, de estrelas, do zodíaco, círculos no céu e muitas mulheres nuas; a seção seguinte contém estranhos desenhos de tubos, que se acredita serem vasos sanguíneos, microscópios ou telescópios, e mais mulheres nuas em piscinas; em seguida, vem a seção chamada de “farmacêutica”, que parece ser uma lista, aparentemente de nomes de folhas e raízes. O livro termina com páginas repletas de um texto formado por uma série de parágrafos curtos, ilustrado apenas por estrelas nas margens.

Uma equipe brasileira formada por pesquisadores que atuam na Alemanha e na Universidade Federal de São Carlos, interior de São Paulo, também acredita que o manuscrito não seja uma sequência de símbolos sem sentido. Desenvolveu um método que usa técnicas da física estatística, para analisar a frequência com que as palavras aparecem ao longo de um texto. Resultados dessa pesquisa foram publicados em julho de 2013 na revista PLoS One.  Na verdade, esse método, desenvolvido para estudar o Voynich, tem hoje outras aplicações : “Ele nos permite identificar as palavras-chave de um texto longo, sem que seja necessário conhecer sua organização ou compará-lo com outros textos, tal como fazem mecanismos de busca como o do Google”, explica um dos autores do estudo, o físico Eduardo Altmann, do Instituto Max Planck para Física de Sistemas Complexos, em Dresden, Alemanha. 

 

Fraude ou não?

Especulou-se muito se o manuscrito não seria uma fraude criada pelo próprio Voynich, que adquiriu o manuscrito e depois lucrou com sua venda, mas historiadores e biógrafos já descartaram tal hipótese.

Como se disse, muitas têm sido as tentativas de decifrar o enigma. Junto ao manuscrito, por exemplo, uma carta datada de 1666 e assinada por um acadêmico da cidade de Praga, na atual República Tcheca, pedia a um jesuíta em Roma que tentasse decifrá-lo. Também foi feita, em 2010, uma análise físico-química dos papéis e das tintas e concluiu-se que o manuscrito deve ter sido produzido mesmo entre 1404 e 1438. E muitas pessoas, em distintas partes do planeta, estudam esse documento, tentando achar uma explicação para ele. Com o desenvolvimento da informática, a partir dos anos 1990, uma comunidade formada por uma centena de pesquisadores de várias disciplinas, todos interessados no Voynich, começou a se comunicar pela internet, o que gerou grande expectativa de avanços na pesquisa.  

Recentemente,  Arthur Tucker, botânico, professor emérito da Delaware State University (EUA), e seu colega Rexford Talbert surpreenderam-se com a similaridade de uma das ilustrações do Voynich com a xiuhamolli/xiuhhamolli ou "planta sabão",  que aparece no Codex Cruz-Badianus, de 1552, também conhecido como Herbário Asteca, escrito por Martín de la Cruz, no México. Por essa similaridade, supõem que o manuscrito possa ter sido feito na América Central.

O estudo feito na Universidade de São Carlos, com os físicos Osvaldo Oliveira Jr. e Luciano da Fontoura Costa, do Instituto de Física de São Carlos, da Universidade de São Paulo, trata os textos como se fossem redes complexas de palavras (ver figura em cima). “Duas palavras são conectadas na rede se elas aparecem vizinhas no texto”, explica Diego Raphael Amâncio, aluno de doutorado de Costa e primeiro autor do artigo da PLoS One. Antes de atacarem o Voynich, os pesquisadores avaliaram 29 tipos de medidas estatísticas que podem ser obtidas a partir da análise de um texto qualquer - elas são quantidades que medem como as palavras aglomeram-se ou se dispersam ao longo do texto ou que medem a distribuição dos vários arranjos possíveis das conexões entre as palavras. As medidas avaliadas pelos brasileiros indicam que o texto do Voynich apresenta mesmo uma estrutura sintática e transmite alguma mensagem.

 “O tamanho da literatura sobre o Voynich é assustador e me fez perguntar até que ponto seu objetivo é científico”, conta Altmann. “É por isso que em nosso trabalho tentamos formular as questões de maneira geral, esperando que o estudo tenha outras aplicações.”

 

Assista ao vídeo que explica o experimento:

http://www.youtube.com/watch?v=wZndOKzxRAg

 

Referências:

http://revistapesquisa.fapesp.br/2013/08/13/o-codigo-voynich/

http://www.theguardian.com/books/2014/feb/07/new-clue-voynich-manuscript-mystery

http://bibliotecaucs.wordpress.com/2014/02/19/brasileiros-tentam-decifrar-misterioso-manuscrito-voynich/

http://www.scientificamerican.com/author/gordon-rugg/

http://www.newscientist.com/article/dn24987-mexican-plants-could-break-code-on-gibberish-manuscript.html#.UwYXsXm0HTM

 

Download completo do manuscrito:

https://archive.org/details/TheVoynichManuscript

1
março
2014
Os Fantásticos Livros Voadores do Sr Morris Lessmore!
postado sob arte, cinema, cultura, Literatura

“É uma história de pessoas que devotam suas vidas aos livros e livros que retribuem o favor”, conta o diretor Brandon Oldenburg.

Produção vencedora do Oscar em 2012, na categoria Melhor Curta de Animação

A obra, exibida no Anima Mundi 2013, foi inspirada no ator e diretor Buster Keaton, no furacão Katrina – que destruiu a cidade americana de Nova Orleans em 2005 – e no clássico O Mágico de Oz.

veja a matéria e assista ao filme

fechar