.>
29
abril
2015
Chegou a hora da OBA 2015!
postado sob Ciências, física, Ítaca

Mais uma vez, com o objetivo de proporcionar ao aluno uma oportunidade de conhecer melhor o seu domínio de astronomia, nosso colégio fará parte dessa olimpíada. 

Lembrando que não é obrigatório se preparar previamente para prova. Caso o aluno queira, seguem algumas instruções em anexo. A OBA sugere 4 atividades práticas (a serem concluídas até a véspera da prova) e os conteúdos abordados nas provas (por nível). Qualquer dúvida entre em contato com seu professor de Ciências. 

A prova vai ocorrer dia 15/5, sexta-feira, na escola durante o horário normal de aulas. 

Participe! É uma excelente chance de fazer uma prova de forma mais descontraída e sem obrigações de notas!

Acesse o site aqui

FAÇA DOWNLOAD DAS INSTRUÇÕES:

20
abril
2015
O Joaquim que tornou-se mártir
postado sob história, política

Joaquim José da Silva Xavier, chamado de Tiradentes, nasceu na Fazenda do Pombal, entre São José (hoje Tiradentes) e São João Del Rei em Minas Gerais, em novembro de 1746.

Ele ficou órfão muito cedo: perdeu a mãe aos nove anos de idade e o pai aos onze anos e foi criado na cidade de Vila Rica, atual Ouro Preto, pelo seu padrinho.

Exerceu diversos trabalhos, como minerador e tropeiro. Também foi alferes, fazendo parte do regimento militar dos Dragões de Minas Gerais. Ganhou o apelido de Tiradentes por ser dentista, mas ficou mais conhecido como soldado, integrante do movimento da Inconfidência Mineira.

Junto com vários integrantes da aristocracia mineira, entre eles poetas e advogados, participou da chamada Inconfidência Mineira, movimento que durou vários anos do final do século XVIII, e que buscava a libertação do Brasil da monarquia portuguesa.

A região da cidade de Vila Rica e entorno era muito rica devido à mineração, à extração de ouro e pedras preciosas. Os portugueses se apossavam dessas matérias-primas e as comercializavam pelos países europeus, fazendo fortuna às custas da exploração das riquezas do Brasil.
Além disso, a corte portuguesa cobrava altíssimos impostos da população brasileira, que estava farta dessas imposições. Nesse contexto articulou-se o movimento chamado Inconfidência Mineira, que também tinha integrantes com espírito abolicionista (combatendo a escravidão), além de pregar a independência do Brasil.
Seus principais objetivos eram: buscar a autonomia da província, estabelecer um governo republicano (com mandato de Tomás Antônio Gonzaga), tornar São João Del Rei a capital, conseguir a libertação dos escravos nascidos no Brasil, dar início à implantação da primeira universidade da região, dentre outros.

Tiradentes era um excelente comunicador e orador o que colaborou para que fosse um líder na Inconfidência Mineira. 
Durante o movimento, as notícias de que os inconfidentes tentariam derrubar o governo de Portugal chegaram aos ouvidos do imperador, que decretou a prisão deles. 
Em 1789, após ser delatado por Joaquim Silvério dos Reis, o movimento foi descoberto e interrompido pelas tropas oficiais. Os inconfidentes foram julgados em 1792. Alguns filhos da aristocracia ganharam penas mais brandas como, por exemplo, o açoite em praça pública. Outros foram perdoados pela rainha dona Maria I e expulsos para a África.
Tiradentes, entre aqueles que se rebelaram contra o domínio português, era o de classe mais baixa e, dizem, o único que havia feito propaganda aberta do movimento. Foi condenado à forca e o governo fez questão de mostrar em praça pública o seu sofrimento, dando exemplo e inibindo a população que ousasse se colocar contra a coroa portuguesa. 
Seu ofício de dentista (um trabalho braçal, malvisto na época) também pode ter pesado na decisão. Tiradentes foi enforcado há 223 anos, em 21 de abril de 1792. Sua casa foi queimada e seus bens confiscados.
Sua cabeça foi cortada e levada para a cidade de Vila Rica. O corpo, esquartejado, foi espalhado pelos caminhos de Minas Gerais. “Era o exemplo que ficava para aqueles que pensassem em questionar o poder de Portugal”, diz o professor de história Marco Antonio Villa, da Universidade Federal de São Carlos.

referências
http://www.brasilescola.com/datas-comemorativas/tiradentes.htm
http://mundoestranho.abril.com.br/materia/por-que-tiradentes-foi-o-unico-inconfidente-enforcado
http://www.suapesquisa.com/tiradentes/

6
abril
2015
Internet de graça nas ruas de São Paulo
postado sob cidadania, política
imagem: reprodução do site www.hypeness.com.br
os locais que disponibilizam wi-fi devem ser sinalizados.

A cidade de São Paulo já tem 119 praças/parques que possuem o sinal WiFi Livre e mais uma em instalação (na Praça Julio César de Campos, na zona sul), que oferecem internet sem fio e gratuita aos munícipes. A rede é aberta, não é necessário cadastro ou senha.

O Largo da Batata, na Zona Oeste, é um deles e  possui capacidade para 125 conexões simultâneas com navegação a 512 Kbps. Uma reportagem do portal R7 visitou alguns desses pontos, em junho de 2014, e constatou que o sinal da internet tem bom alcance e velocidades compatíveis com as prometidas pela Prefeitura. No Pátio do Colégio e na Praça Benedito Calixto, ambos no centro da cidade, a velocidade chega a 718,8 kbit/s efetivos – o suficiente para acessar redes sociais, aplicativos de localização e até mesmo assistir vídeos por streaming.

A Subprefeitura Pinheiros já conta com suas quatro praças com WiFi em pleno funcionamento, são elas: Praça do Pôr-dô-sol (Alto de Pinheiros), Praça Arlindo Rossi (Itaim Bibi), Praça Benedito Calixto (Jardim Paulista) e o Largo da Batata (Pinheiros).

 

Regiões da cidade beneficiadas
Com a proposta de levar internet livre e de qualidade para todas as regiões da capital, o projeto pretende instalar ao menos uma praça/parque com WiFi Livre em cada um dos 96 distritos paulistanos.
A região central tem 23 locais em funcionamento; a zona leste, que detém o maior número de praças e parques, tem 36; a zona norte, 18; a zona oeste tem 15 e a zona sul 27.
Acesse http://wifilivre.sp.gov.br/index.php?status=2 para conferir a lista completa das praças.

Velocidade e neutralidade de rede
A velocidade oferecida é de 512 Kbps por usuário, suficiente para assistir vídeos, acessar emails e redes sociais. Os usuários podem conferir a situação da rede pelo site http://wifilivre.sp.gov.br/index.php , é só clicar na praça desejada e visualizar o Sistema de Medição de Tráfego de Internet (Simet).

Qualquer pessoa pode acessar a rede com qualquer aparelho compatível com a tecnologia WiFi (celulares, tablets, notebooks) e que seja homologado pela Anatel.  Não há nenhuma restrição de conteúdo e todos os dados permanecerão protegidos.

Referências
http://wifilivre.sp.gov.br/index.php?status=1
http://noticias.r7.com/tecnologia-e-ciencia/saiba-como-aproveitar-os-pontos-de-wi-fi-gratis-em-sao-paulo-09062014

http://www1.folha.uol.com.br/tec/2014/06/1477730-prefeitura-de-sao-paulo-instala-wi-fi-publico-na-cidade-veja-testes-e-mapa.shtml
http://revistagalileu.globo.com/Revista/Common/0,,EMI340771-17770,00-POR+ENQUANTO+WIFI+LIVRE+EM+PRACA+E+INSTAVEL+E+TEM+ALCANCE+BAIXO.html

 

 

 

 

1
abril
2015
É Ítaca o nosso lugar
postado sob Ítaca

Acima: fotos da festa de 25 anos, dia 14 de março de 2015

 

Chegar aos 25 anos é uma responsabilidade e tanto. Como um jovem que há pouco saiu da adolescência, atingir a fase adulta de vida e já vivido ter ¼ de século nos dá, primeiro, uma sensação de sucesso por alcançar uma marca muito desejada, mas também nos traz a lembrança de que o caminho até aqui foi longo e cheio de peripécias.

Peripécias. Caminho. Tempo. Três palavras muito citadas em sala de aula nesses dois primeiros meses letivos de 2015. 

No ano em que o Ítaca completa seu primeiro quarto de século, decidimos contar a nossos alunos a epopeia de Ulisses (ou Odisseu) para voltar a sua terra. O projeto, contudo, previa que essa narrativa não fosse entendida apenas como um mito grego, mas um enredo real, e que os personagens míticos se assemelhassem àqueles que fizeram parte da odisseia que foi construir a história da nossa escola.

Ulisses, ou Odisseu, é o protagonista da Odisseia, poema épico de Homero. Ele é o herói que teve de sair de sua pátria, Ítaca, onde era o rei poderoso, para guerrear em Troia, vencendo muitos troianos com uma ideia genial disfarçada de cavalo (mas essa é outra história!). Quando sua luta acabou, Odisseu pouco imaginava que sua epopeia estava apenas começando: ao ferir o ciclope e atiçar a fúria de Posseidon, teve a jornada de volta triplicada, e a ideia de retornar a Ítaca ficou cada vez mais distante.

Durante os dois primeiros meses de aula, os professores percorreram essa odisseia com nossos alunos e, mais do que isso, uniram-se na missão de fazê-los perceber que outra odisseia foi vivida há 25 anos. Tivemos heróis desbravadores, passamos por inúmeras peripécias, representadas pelos desafios vividos pelo caminho e, principalmente, vivemos, como Odisseu, uma utopia, a de fundar e estruturar o Ítaca (desta vez, o Colégio…).

No dia 12 de março, comemoramos a chegada de nossos odisseus a esta moderna ilha de Ítaca, e contemplamos, em um painel expositivo de fotografias criado pelos alunos do 6º ano, os heróis do dia a dia da escola: fundadoras, professores, funcionários administrativos, da limpeza, da segurança, da manutenção, o pessoal da cantina, enfim, todos os que enfrentam diariamente circes, polifemos e sereias, para que outros 25 anos possam vir, com a mesma leveza, alegria e compromisso vividos nestes primeiros que passaram.

Celebramos, no sábado, dia 14 de março, em alto estilo, com apresentações de blues e chorinho, show de mágica e exposições de trabalhos sobre o tema, com encontros e reencontros de alunos, pais e ex-alunos, mas especialmente, com a certeza de que, como o samba-enredo criado pelo 5º ano para o carnaval do colégio já disse: é Ítaca o nosso lugar. 

 

Texto de Yanaí Mendes, professora de Cinema e Informática do Ítaca

fechar