.>
21
julho
2016
Transformando o Mundo: a Agenda 2030 para o Desenvolvimento Sustentável
os 5 Ps da agenda que vigora até 2030
A nova agenda acordada pelos países da ONU
Os 8 objetivos do milênio, acordados em 2.000, agenda para vigorar até 2015

Em 2000, 119 países integrantes da ONU (Organização das Nações Unidas) assinaram um documento que consolidou várias metas estabelecidas nas conferências mundiais ocorridas ao longo de anos 90.  Os chamados Objetivos de Desenvolvimento do Milênio (ODM) – que deviam ser adotados pelos estados-membros das Nações Unidas, com a meta de alcançá-los até 2015, focavam em 8 questões:
1. Erradicar a extrema pobreza e a fome
2. Atingir o ensino básico universal
3. Igualdade entre os sexos e a autonomia das mulheres
4. Reduzir a mortalidade na infância
5. Melhorar a saúde materna
6. Combater o HIV/Aids, a malária e outras doenças
7. Garantir a sustentabilidade ambiental
8. Estabelecer uma parceria mundial para o desenvolvimento

Construídas sobre o legado dos ODM e concluindo que estes não foram alcançados, a ONU estabeleceu agora uma agenda universal com 17 Objetivos de Desenvolvimento Sustentável e 169 metas. Concluídas em agosto de 2015, as negociações culminaram na adoção, em setembro, dos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS), por ocasião da Cúpula das Nações Unidas para o Desenvolvimento Sustentável. Processo iniciado em 2013, seguindo mandato emanado da Conferência Rio+20, os ODS deverão orientar as políticas nacionais e as atividades de cooperação internacional nos próximos 15 anos, sucedendo e atualizando os Objetivos de Desenvolvimento do Milênio. O Brasil participou de todas as sessões da negociação intergovernamental. 

Os objetivos buscam concretizar os direitos humanos de todos e alcançar a igualdade de gênero e o empoderamento das mulheres. São integrados e indivisível e equilibram as três dimensões do desenvolvimento sustentável: a econômica, a social e a ambiental.
Estimularão a ação para os próximos 15 anos em áreas de importância crucial para a humanidade e para o planeta:

Pessoas
Acabar com a pobreza e a fome, em todas as suas formas e dimensões, e garantir que todos os seres humanos possam realizar o seu potencial em dignidade e igualdade, em um ambiente saudável.

Planeta
Proteger o planeta da degradação, sobretudo por meio do consumo e da produção sustentáveis, da gestão sustentável dos seus recursos naturais e tomando medidas urgentes sobre a mudança climática, para que ele possa suportar as necessidades das gerações presentes e futuras.

Prosperidade
Assegurar que todos os seres humanos possam desfrutar de uma vida próspera e de plena realização pessoal, e que o progresso econômico, social e tecnológico ocorra em harmonia com a natureza.

Paz
Promover sociedades pacíficas, justas e inclusivas que estão livres do medo e da violência. Não pode haver desenvolvimento sustentável sem paz e não há paz sem desenvolvimento sustentável.

Parceria
Mobilizar os meios necessários para implementar esta Agenda por meio de uma Parceria Global para o Desenvolvimento Sustentável revitalizada, com base num espírito de solidariedade global reforçada, concentrada em especial nas necessidades dos mais pobres e mais vulneráveis e com a participação de todos os países, todas as partes interessadas e todas as pessoas.

Os 17 itens objetivos são:
1. Acabar com a pobreza em todas as suas formas, em todos os lugares
2. Acabar com a fome, alcançar a segurança alimentar e melhoria da nutrição e promover a agricultura sustentável
3. Assegurar uma vida saudável e promover o bem-estar para todos, em todas as idades
4. Assegurar a educação inclusiva e equitativa e de qualidade, e promover oportunidades de aprendizagem ao longo da vida para todos
5. Alcançar a igualdade de gênero e empoderar todas as mulheres e meninas
6. Assegurar a disponibilidade e gestão sustentável da água e saneamento para todos
7. Assegurar o acesso confiável, sustentável, moderno e a preço acessível à energia para todos
8. Promover o crescimento econômico sustentado, inclusivo e sustentável, emprego pleno e produtivo e trabalho decente para todos
9. Construir infraestruturas resilientes, promover a industrialização inclusiva e sustentável e fomentar a inovação
10. Reduzir a desigualdade dentro dos países e entre eles
11. Tornar as cidades e os assentamentos humanos inclusivos, seguros, resilientes e sustentáveis
12. Assegurar padrões de produção e de consumo sustentáveis
13. Tomar medidas urgentes para combater a mudança do clima e seus impactos
14. Conservação e uso sustentável dos oceanos, dos mares e dos recursos marinhos para o desenvolvimento sustentável
15. Proteger, recuperar e promover o uso sustentável dos ecossistemas terrestres, gerir de forma sustentável as florestas, combater a desertificação, deter e reverter a degradação da terra e deter a perda de biodiversidade
16. Promover sociedades pacíficas e inclusivas para o desenvolvimento sustentável, proporcionar o acesso à justiça para todos e construir instituições eficazes, responsáveis e inclusivas em todos os níveis
17. Fortalecer os meios de implementação e revitalizar a parceria global para o desenvolvimento sustentável

Para conhecer mais sobre o assunto, acesse o documento final da agenda pós-2015 ou acesse no formato PDF em português.

Para esclarecer e amplificar a ação de alcance das metas, o PNUD (Programa das Nações Unidas para o desenvolvimento) elaborou uma cartilha que pode ser acessada aqui: http://www.pnud.org.br/Docs/FAQ.pdf


Referências
http://itaca.com.br/noticias/post/1128
http://www.pnud.org.br/ODS.aspx
http://www.objetivosdomilenio.org.br
https://nacoesunidas.org/pos2015/agenda2030/

13
julho
2016
Elas estão condenadas!

filme feito pela produtora canadense Egg Studios 

 

Alguns costumes estão tão arraigados no nosso dia a dia, que nem paramos para pensar sobre eles e para questioná-los.
Pois bem, se você gosta daquele cafezinho de cápsula e nunca parou para avaliá-lo, agora tem um motivo para repensar sua adoração.
A mania das máquinas de cafezinho em cápsulas se propagou de tal maneira que virou uma questão ambiental importante.
A cidade de Hamburgo, segunda maior da Alemanha, proibiu a compra de cápsulas de café por repartições públicas. A medida introduzida em janeiro de 2016 faz parte de um grande esforço da gestão pública para reduzir a quantidade de resíduos sólidos lançados ao meio ambiente.
O Guia para Contratos Ecologicamente Responsáveis da cidade alemã, condenou o uso das cápsulas por serem feitas de uma mistura de plástico e alumínio. Esse documento de 150 páginas também baniu garrafas plásticas de água, produtos de limpeza à base de cloro, pratos e talheres de plástico e outros produtos.

O porta-voz do Departamento de Meio Ambiente e Energia de Hamburgo, Jan Dube, afirmou em entrevista à BBC que as cápsulas que contem plástico e alumínio não são facilmente recicláveis. "Aqui em Hamburgo, pensamos que essas cápsulas com 6 gramas de café em um pacote de 3 gramas não devem ser compradas com o dinheiro do contribuinte", afirma.

A cidade tem uma longa lista de metas que pretende seguir para se tornar mais sustentável no futuro.
Entre outras coisas, eles querem se livrar dos carros na região central em 20 anos e construir espaços verdes sobre as atuais rodovias apinhadas de veículos. 
Veja aqui algumas das questıes relativas às cápsulas de café:
- A cápsula de plástico È feita de petróleo (combustível fóssil), e utiliza de muita energia em sua fabricação (contribuindo para o aquecimento global)
- Ela é forrada com um filtro, preenchida com café e selada com uma tampa também de plástico.
- Em seguida é empacotada em caixas de papelão (feito de celulose das árvores, gastando mais energia) e finalmente empacotada em umas caixas maiores para distribuição.
- As caixas são transportadas em navios para distribuição internacional e em seguida por caminhões para distribuição regional, consumindo mais petróleo
- Quando finalmente chega ao consumidor, cada cápsula faz apenas um café e é descartada, virando lixo
Além da complexidade da embalagem, que contém plástico e alumínio, a cápsula usada ainda guarda borra de café moÌdo, o que a torna mais difÌcil ainda de ser reciclada.
Mais significativo é que em cada oito cafés vendidos na Alemanha, um deles vem de cápsulas individuais.

Pensando em chamar a atenção para os males do uso das cápsulas de café, a produtora canadense Egg Studios fez o filme "Kill the K-Cup", disponível no Youtube e no link acima.
O filme trata da questão de uma maneira bem humorada e com muitos efeitos especiais, finalizando com a frase:  "mate as cápsulas antes que elas te matem".

Aqui está um bom motivo para repensar o hábito de tomar café e retornar à cafeteira italiana ou ao bom e velho filtro, de papel ou, melhor ainda, de pano.
 

Referências:
http://ineam.com.br/hamburgo-proibe-capsulas-de-cafe-na-administracao-publica/
http://www.huffingtonpost.com/2015/01/29/kill-the-k-cup_n_6574146.html
http://www.killthekcup.org
http://www.carbondiet.ca/green_advice/food/k-cup_coffee_maker_garbage_an_environmental_issue.html
http://www.theatlantic.com/technology/archive/2015/03/the-abominable-k-cup-coffee-pod-environment-problem/386501/
http://saopaulosao.com.br/conteudos/exemplos/1731-hamburgo-na-alemanha-È-a-primeira-cidade-no-mundo-a-proibir-c·psulas-de-cafÈ.html
http://noticias.uol.com.br/meio-ambiente/ultimas-noticias/redacao/2016/02/22/hamburgo-bane-uso-de-capsulas-de-cafe-em-predios-publicos.htm
http://exame.abril.com.br/mundo/noticias/esta-cidade-proibiu-o-uso-de-capsulas-de-cafe-expresso

 

fechar