.>
11
outubro
2017
4ª edição do Vivenciando as Ciências - alunos viram professores por um dia

O 4º Vivenciando as Ciências aconteceu no dia 7 de outubro, sábado. Centrado em temas das Ciências da Natureza, o evento é um encontro bianual, composto de oficinas, palestras, conversas, exposições e demonstrações de experimentos, feitos por alunos, professores e pais do Ítaca.
São inúmeras atividades ligadas a distintas áreas e subáreas do conhecimento científico: física (acústica, resistência dos materiais, etc), biologia (microbiologia, botânica, etc), química, astronomia, oceanografia, medicina, ciências biomédicas, psicologia, educação, nutrição, etc.   

O evento foi muito divertido e dinâmico e, além da apresentação de profissionais das distintas áreas, por um dia os alunos do EF1, EF2 e EM também foram professores e pesquisadores, ocupando os espaços da escola com seus trabalhos e experimentos e explicando os diversos fenômenos científicos para os visitantes.

Além do contato com uma grande riqueza de conhecimentos, o intercâmbio com profissionais das diferentes áreas colocou os estudantes em contato com a realidade da vida profissional, ajudando a refletir sobre suas possíveis carreiras.

Veja abaixo alguns temas abordados nas palestras e atividades do evento deste ano:

APRESENTAÇÃO DE ALUNOS:

Experimentos de Física e Química
Alunos do Ensino Médio

Experimentos de Biologia
Alunos do Ensino Médio

Experimentos de Ciências
Alunos do Ensino Fundamental 2

Exposição de trabalhos do EF1
1º EF: Os nossos sentidos
2º EF: Pesquisando as plantas do Ítaca
3º EF: Terrários e aquário de plantas
4º EF: Modelos de fósseis
​5º EF: Biomas brasileiros

 

APRESENTAÇÃO DE PROFISSIONAIS:

Pesquisa Científica na Antártica – Introdução Um breve histórico do continente antártico, suas peculiaridades e as pesquisas que são desenvolvidas lá, incluindo as pesquisas brasileiras.
José Roberto Machado Cunha da Silva
Prof. Dr. do Laboratório de Histofisiologia Evolutiva
Departamento de Biologia Celular e do Desenvolvimento
Instituto de Ciências Biomédicas - USP

Exercício Físico nas Doenças: Lições do Coração
Patrícia Chakur Brum
Profa. Dra. do Laboratório de Fisiologia Cel Mol. do Exercício
Escola de Educação Física e Esporte da USP

Dinâmica de Populações e Teoria do Caos
A interface entre física e biologia - particularmente ecologia. 
Prof. Fabio Stucchi Vannucchi
Físico - Docente da Unesp

Inteligência Artificial
Como a inteligência artificial está influenciando o mercado de trabalho? 
Como deverá ser o perfil profissional no futuro próximo? 
Estamos em meio a uma nova revolução industrial? 
Esta palestra não tem as respostas a todas estas perguntas, mas servirá como uma amostra do que já está acontecendo nos mercados brasileiro e global no que diz respeito à inteligência artificial e à nova economia, e como as profissões estão sendo afetadas.
Pávio Domiciano Muniz

As Ciências do Mar
As ciências do mar e a profissão do cientista do mar -  biologia marinha, ecossistemas no ambiente aquático, o aquecimento global e a acidificação dos oceanos.
Gabriela Tavares
Bacharel Interdisciplinar em Ciências e Tecnologia do Mar
Mestranda em Biodiversidade e Ecologia Marinha e Costeira
Univ. Federal de SP – Campus Baixada Santista

Valorize seu Intestino: Ele Pode Ajudar a Perder Peso, Combater Alergias e Doenças Neurológicas
Caroline Marcantonio Ferreira
Instituto de Ciências Ambientais, Químicas e Farmacêuticas 
Laboratório Multidisciplinar em Saúde e Meio Ambiente -
Universidade Federal de São Paulo/Campus Diadema

Microscopia - "Observação do Plâncton: A vida em uma gota d'agua". Oficina com alunos dos 7º anos, orientados por Cláudia Namiki, pós-doutoranda do Instituto Oceanográfico da Universidade de São Paulo 

Você já viu uma onda sonora?
Experimento para ver ondas da frequência do som
Marcelo Nishio

Quiprocó: A Confusão Quando Não Sabemos o que Sentimos 
Sensibilizar as crianças para a identificação e compreensão dos seus sentimentos e os dos outros; trabalhar, de forma breve, a expressão de sentimentos e a resolução de problemas.
Carolina Andrade e Paula Pessoa, Psicólogas

Astronomia - observação do Sol com telescópios solares
Elysandra e Eduardo Cypriano
Astrônomos, Profs. Drs. do IAG – USP

 

A Vida das Abelhas e Muito Mais
As abelhas são de extrema importância para a polinização da grande maioria das plantas. Sendo assim, desempenham um papel fundamental na manutenção da existência da vida em nosso planeta. Existe uma grande diversidade de espécies de abelhas e na forma como se organizam socialmente, sendo, a maioria delas, solitárias. Nessa atividade apresenta-se um pouco sobre a vida das abelhas, suas sociedades e funcionamento. Será apresentado material de coleção para exemplificar a diversidade de espécies. 
Maria Cristina Arias, Profª. do Departamento de Genética e Biologia Evolutiva Instituto de Biociências-USP

 

DEMONSTRACÕES:

Profª. Vera Lucia Martins Oikawa

Três experimentosA água furiosa, Vulcão e Sangue de diabo ou Sangue de mentirinha

Thomaz Magalhães 
Princípios de Acústica, Aplicação do Som em Sopros, Cordas e Diferentes Tipos de Tambores

Ricardo e Fabíola Bovo Mendonça
Prof. Zoologia USP
Estande para Observação de animais – aranhas, escorpiões e outros animais

 

30
maio
2017
Juno em Júpiter
Novas descobertas da astronomia
foto: Nasa
foto: Nasa
foto: Nasa

Júpiter, o maior planeta do sistema solar, revelou-se um mundo complexo, imenso e turbulento: recentemente, a sonda Juno (da NASA) nos mostrou imagens de ciclones do tamanho da Terra, tempestades que mergulham no miolo desse gigante de gás e um grande campo magnético irregular, que parece ter sido gerado mais próximo da superfície do planeta do que antes se imaginava.
 
“Estamos animados em compartilhar essas últimas descobertas, que nos ajudam a entender melhor o que faz Júpiter ser tão fascinante”, afirma Diane Brown, coordenadora do programa Juno, na sede da NASA, em Washington. “Foi uma longa jornada até Júpiter, mas esses primeiros resultados já demonstram que a viagem valeu muito a pena.”
 
Juno foi lançada em 5 de agosto de 2011 e entrou na órbita de Jupiter no dia 4 de julho de 2016. Os resultados da primeira coleta de dados, fruto de um voo de aproximadamente 4.200 km sobre o planeta, estão sendo publicados neste mês de maio, em diversas matérias na  revista Science e em 44 artigos da Geophysical Research Letters.
 
Algumas descobertas inesperadas fazem com que se reavalie o planeta, como um “novo Júpiter”, como afirma Scott Bolton, um dos principais pesquisadores do projeto Juno, na divisão do Southwest Research Institute, em San Antonio. 
 
A JunoCam forneceu imagens que revelam nos polos do planeta, por exemplo, tempestades até então desconhecidas. 
“Estamos intrigados em como elas podem ter sido formadas, como suas configurações são estáveis e porque o polo norte de Jupiter é diferente do polo sul.” diz Bolton. “Questionamos se se trata de um sistema dinâmico, do qual estamos visualizando apenas um estágio, e que durante o próximo ano veremos desaparecer, ou se é uma configuração estável e essas tempestades circulam umas ao redor das outras.”
 
Antes da missão Juno, sabia-se que Júpiter tinha o mais intenso campo magnético do sistema solar, e a expedição mostrou que esse campo é mais intenso e tem a forma mais irregular do que o que se conhecia.
 
Os dados sobre tempestades nas camadas internas da atmosfera indicam que grandes quantidades de amoníaco emanam das zonas mais profundas e contribuem para formar as tempestades observadas. Além disso, existe uma enorme nuvem, de cerca de 7.000 quilômetros de diâmetro, que se encontra muito acima das demais camadas, no polo norte de Júpiter, sem que ninguém possa explicar como pôde chegar até ali.
Graças à sua órbita sobre os polos, Juno também pôde observar pela primeira vez a chuva de elétrons que cai na atmosfera e cria as intensas auroras boreais, dificilmente observáveis da Terra.
 
SOBRE A SONDA JUNO
Juno é a primeira sonda que orbita Júpiter há mais de uma década. Até agora, o recorde de aproximação do gigante gasoso era ostentado pela Pioneer 11, da NASA, que passou a 43.000 quilômetros de suas nuvens.
 
A sonda atual tem o tamanho de uma quadra de basquete e é a nave espacial que mais longe chegou no Sistema Solar, usando somente a energia solar que capta com seus grandes painéis. Suas câmeras e os demais equipamentos científicos estão blindados com titânio, protegendo-a da intensa radiação emitida pelo planeta. Durante suas órbitas mais próximas, a nave atravessou o interior dos cinturões de radiação onde essas partículas são abundantes.
 
AUTODESTRUIÇÃO EM 2018
Abaixo das nuvens da atmosfera de Júpiter, há uma camada intermediária que é feita de hidrogênio em estado líquido e se comporta como um metal, amplificando o poderoso campo magnético do planeta: um dínamo descomunal, com uma massa 300 vezes maior que a Terra e dá uma volta sobre si mesma a cada 10 horas. 
 
Indaga-se se por trás dessa camada há um núcleo rochoso com elementos pesados, o que poderia revelar que materiais existiam na formação inicial do Sistema Solar depois da aparição do Sol, já que Júpiter foi o primeiro planeta a formar-se. Os dados da missão também servirão para entender melhor a maioria dos mais de 3.400 planetas descobertos fora do Sistema Solar.
 
Em 20 de fevereiro do ano que vem, Juno será conduzida às camadas externas da atmosfera de Júpiter, onde se desintegrará pelo atrito. Isso durará aproximadamente cinco dias e evitará que as luas do planeta se contaminem com micróbios da Terra. 
 
Mais referências:
http://edition.cnn.com/2017/05/25/us/nasa-jupiter-juno-mission-observations-first-results/
http://brasil.elpais.com/brasil/2017/05/24/ciencia/1495650096_639179.html
http://edition.cnn.com/2017/05/25/us/nasa-jupiter-juno-mission-observations-first-results/
https://www.nasa.gov/mission_pages/juno/main/index.html
https://www.missionjuno.swri.edu/junocam
http://science.sciencemag.org/content/356/6340/821

5
março
2016
ENERGIA DAS ONDAS DO MAR
postado sob física, meio ambiente

A busca por alternativas energéticas que causem menos impactos ao meio-ambiente passou a fazer parte do planejamento estratégico das nações, e o aproveitamento do potencial energético dos oceanos representa hoje uma possibilidade promissora para produzir energia limpa. Marés, ondas e correntes marinhas são recursos renováveis, cujo aproveitamento para a geração de eletricidade registra significativos avanços tecnológicos e apresenta vantagens, em termos de acessibilidade, disponibilidade e aceitabilidade, que vêm sendo propagadas pelo Conselho Mundial de Energia (2000) para o desenvolvimento de alternativas energéticas.

As chamadas “usinas de ondas”, por exemplo, aparecem experimentalmente em alguns países como Japão, Austrália, Escócia, Portugal e inclusive Brasil, buscando alternativas viáveis para a crescente demanda de energia elétrica.

Estimativas recentes indicam que a energia contida nas ondas do mar é de cerca de 10 TW (1 Terawatt = 1000 Gigawatt), equivalente a todo o consumo de eletricidade do planeta. Há, no entanto, restrições quanto ao uso de grandes áreas dos oceanos, para não prejudicar as rotas de navegação, regiões turísticas e de lazer, além dos custos ainda serem altos e haver necessidade de desenvolvimento tecnológico. Ainda assim, é significativa a quantidade de energia dos oceanos a ser convertida em eletricidade. O percentual de 10% de aproveitamento do potencial energético total das ondas, considerado realístico para as próximas décadas, representaria acréscimo da ordem de 1000 GW na matriz energética mundial.

A primeira patente sobre energia das ondas que se tem notícia, foi concedida a um senhor parisiense chamado Girard, e seu filho, no ano de 1899. A energia produzida era empregada diretamente no acionamento de bombas, serras, moinhos e outros mecanismos pesados. Em todo o mundo, mais de 1500 (um mil e quinhentas) patentes já foram registradas sobre este tema, particularmente, nos Estados Unidos e Europa.

Na invenção nacional, as oscilações do mar movimentam bombas hidráulicas, impulsionando a água de um reservatório também para girar uma turbina. Pesquisadores da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) implantaram os primeiros módulos de uma usina desse tipo no Porto de Pecém, no Ceará, em 2012. "Nessa região, as ondas são mais regulares, facilitando a geração de energia", diz o engenheiro Eliab Ricarte, da UFRJ. O mar de nossa costa poderia gerar cerca de 30 gigawatts, 10% da demanda de energia do país.

Localizada no quebra-mar do Porto de Pecém, a 60km de Fortaleza, a usina de ondas do Pecém foi a primeira na América Latina responsável pela geração de energia elétrica por meio do movimento das ondas do mar. O projeto durou pouco: foi interrompido depois de um par de anos por falta de recursos. Com tecnologia 100% nacional, o projeto dos pesquisadores da Coordenação dos Programas de Pós-Graduação de Engenharia (COPPE), da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), foi financiado pela Tractebel Energia, dentro do programa de P&D da Aneel, e contou com apoio do Governo do Estado do Ceará. Segundo o Diário do Nordeste, em 30/09/2014, a usina estava abandonada já havia um ano, pelo fim do contrato com a Tractebel Energia, e falta de recursos. Foram investidos 15 milhões de reais.

Além de necessitar de alterações tecnológicas, obras e mudanças no Porto auxiliaram o abandono do projeto, que se for retomado ficará em outro local. O presidente da Tractebel Energia, Manoel Zaroni Torres, reafirmou o interesse em uma retomada: “Aproveitamos toda a estrutura criada para o desenvolvimento do petróleo e do pré-sal para criar esta tecnologia, mas temos consciência dos problemas, pois agora precisaremos de no mínimo R$ 280 milhões, para torná-la comercial.”

De acordo com Paulo Roberto da Costa, um dos pesquisadores do projeto, a grande vantagem da usina de ondas é a produção de energia renovável, sem danos ao meio ambiente. Além disso, o Brasil apresenta condições favoráveis para desenvolver tais tecnologias, como o fato de possuir uma costa extensa (cerca de 8,5 mil km) e grande parte de sua população morando em regiões litorâneas.

Funcionamento
Os custos de uma usina de ondas ainda são maiores que os das hidrelétricas, mas tendem a se reduzir com o desenvolvimento e aprimoramento progressivo da tecnologia.

Vantagens
É uma energia renovável;
Não produz qualquer tipo de poluição;
Estão menos dependentes das condições da costa.

Desvantagens
Instalações de potência reduzida;
Requer uma geometria da costa especial e com ondas de grande amplitude; Impossibilita a navegação (na maior parte dos casos); A deterioração dos materiais pela exposição à água salgada do mar


Referências
http://www.planeta.coppe.ufrj.br/artigo.php?artigo=833
http://mundoestranho.abril.com.br/materia/como-gerar-energia-a-partir-das-ondas-do-mar
http://diariodonordeste.verdesmares.com.br/cadernos/negocios/usina-de-ondas-do-pecem-esta-abandonada-1.1112312
http://www.crescernaengenharia.com/engenharia/geracao-de-energia-eletrica-pelas-ondas-do-mar/
http://www.fenatema.org.br/noticia/primeira-usina-de-ondas-da-america-latina-ja-gera-energia-no-ceara/5162
http://ultimosegundo.ig.com.br/ciencia/as+alternativas+da+energia/n1237597605585.html
http://milenar.org/category/1-parte-primeira/5-secao-quinta/3-energias-renovaveis/energia-das-mares/
http://oglobo.globo.com/economia/pais-corre-para-nao-perder-onda-da-energia-maritima-14070721
http://www.oceanica.ufrj.br/intranet/teses/2004_mestrado_paulo_roberto_da_costa.pdf

29
abril
2015
Chegou a hora da OBA 2015!
postado sob Ciências, física, Ítaca

Mais uma vez, com o objetivo de proporcionar ao aluno uma oportunidade de conhecer melhor o seu domínio de astronomia, nosso colégio fará parte dessa olimpíada. 

Lembrando que não é obrigatório se preparar previamente para prova. Caso o aluno queira, seguem algumas instruções em anexo. A OBA sugere 4 atividades práticas (a serem concluídas até a véspera da prova) e os conteúdos abordados nas provas (por nível). Qualquer dúvida entre em contato com seu professor de Ciências. 

A prova vai ocorrer dia 15/5, sexta-feira, na escola durante o horário normal de aulas. 

Participe! É uma excelente chance de fazer uma prova de forma mais descontraída e sem obrigações de notas!

Acesse o site aqui

FAÇA DOWNLOAD DAS INSTRUÇÕES:

21
janeiro
2015
Pela primeira vez na América Latina, exposição traz objetos produzidos por Leonardo da Vinci

veja o PROGRAMA da exposição:

Com curadoria do italiano Cláudio Giorgione, a Galeria de Arte do Sesi-SP traz para a cidade parte do acervo do Museo Nazionale della Scienza e della Tecnologia Leonardo da Vinci (MUST), em Milão, na Itália. Segundo Giorgione, a exposição está centrada no método de trabalho de Da Vinci e se propõe a renovar a percepção sobre sua atuação como engenheiro e pensador, explicando a importância de seu legado no contexto histórico e social da época. “As obras são apresentadas em diferentes linguagens e revelam o quanto a natureza inspirou Leonardo em suas criações”, acrescenta.

A exposição interativa Leonardo Da Vinci: a natureza da invenção, é uma parceria do Serviço Social da Indústria de São Paulo (Sesi-SP) e da Universcience (organização francesa criada em 2010, a partir da fusão Cidade da Ciência e da Indústria e do Palácio da Descoberta, de Paris), e reúne mais de 40 peças e dez instalações interativas que marcaram e representam a trajetória de um dos maiores gênios que a humanidade conheceu.

Leonardo da Vinci, a Natureza da Invenção, apresenta o espírito inventivo do renascentista Leonardo da Vinci (1452 - 1519), trazendo objetos como o paraquedas, a catapulta e o parafuso aéreo (inspiração para o nosso atual helicóptero).

As peças expostas foram produzidas por pesquisadores e engenheiros, em 1952, para a celebração do 5º centenário de nascimento de da Vinci (1452-1519).

Foram apresentadas ao público em 1953 e ainda podem ser vistas no MUST, espaço que reúne a maior e mais antiga coleção de modelos e estudos históricos sobre o artista, com base em seus desenhos e códigos. 

Essa mesma mostra já passou por Paris e Munique, respectivamente, e traz informações em três diferentes idiomas - português, inglês e italiano -além de inscrições em braile.

Para aproximar o público do visionário dos tempos modernos, a exposição foi dividida em sete módulos temáticos que representam os vários campos de estudo e trabalho de Da Vinci: Introdução; Transformar o movimento; Preparar a guerra; Desenhar a partir de organismos vivos; Imaginar o voo; Aprimorar a manufatura; e Unificar o saber Esses campos conectam história, emoção, conhecimento, educação e cultura.

Além da oportunidade para conhecer de perto máquinas, desenhos, projetos e esboços do mesmo homem que pintou a obra de arte mais vista do mundo – Mona Lisa (1517) –, os visitantes poderão apreciar peças raras – como a grua com 4,5 metros de altura e 500 kg, projetada por Filippo Brunelleschi (1377-1446): somente com esta grua é que o domo de cobre da famosa igreja Santa Maria del Fiore (Florença, na Itália), a mais de cem metros de altura, pôde ser erguido, no início do séc. XV.

Entre os destaques, obras que representam todas as vertentes do legado davinciano: estudos sobre o automóvel, avião, submarino, bicicleta, tanque de guerra, mecanismos do relógio etc.

Após passagem por São Paulo, a exposição segue para o Science Museum, em Londres.

 

Serviço
“Leonardo da Vinci, a Natureza da Invenção”
Local: Galeria de Arte do Sesi-SP, no Centro Cultural Fiesp – Ruth Cardoso (Av. Paulista, 1.313, em frente à estação Trianon-Masp do Metrô)

Até 10 de maio de 2015

diariamente, das 10h às 20h (última entrada até 19h40)

Classificação indicativa: livre

Informações: (11) 3146-7405 e 7406

Agendamentos de grupos e escolas: (11) 3146-7396, de segunda a sexta, das 10h às 14h e das 15h às 18h

Entrada gratuita. Os espaços têm acessibilidade

 

Referências

FIESP

SESI SP

Hypeness

Folhinha

G1

Catraca Livre

5
junho
2014
Como mover montanhas…
Ops! como construir pirâmides!

Imagens de dentro do túmulo de Djehutihotep, descrevem uma cena de escravos transportando uma estátua colossal do governante do Império Médio egípcio (de aproximadamente 1.900 A.C.), na qual há um homem, na frente de um trenó, derrama líquido na areia. Pode-se vê-lo na imagem acima, à direita do pé da estátua.

 

Os antigos egípcios tiveram que deslocar volumes pesadíssimos para seus templos: estátuas imensas, blocos de pirâmides de 2,5 toneladas por longas distâncias, sobre a areia do deserto, sem nenhuma ajuda da tecnologia moderna.  Como fizeram isso??? Como foi possível?  Mesmo andar sobre a areia pode ser tão penoso…

Isso intrigou egiptólogos, físicos, historiadores por muitos séculos, mas agora acredita-se que a charada foi desvendada: imagens de pinturas murais egípcias mostram grandes volumes sendo transportados por exércitos de homens, em cima de uma espécie de trenó.  Porém, assim mesmo, pelo peso desses volumes, seria impossível fazer o transporte sobre a areia apenas com aquela quantidade de homens. Então, uma equipe de pesquisadores, liderada por Daniel Bonn, da Universidade de Amsterdã, Holanda, começou a testar a mudança de atrito da areia, conforme a umidade, e descobriu que com uma pequena quantidade de água pode-se reduzir consideravelmente esse atrito da areia, permitindo-se um deslizamento muito melhor. Desse modo, os egípcios precisariam de metade da tração humana (metade do número de homens) para transportar o mesmo volume e peso. Na verdade, o líquido, em pouca quantidade, agrega os grãos de areia, tornando-a mais rígida.  

Os físicos testaram isso colocando, em uma bandeja de areia, uma versão de laboratório do trenó egípcio. Eles determinaram tanto a força de tração necessária e a rigidez da areia como uma função da quantidade de água na areia; para determinar a rigidez, usaram um reômetro, que mostra quanta força é necessária para deformar um certo volume de areia.

Essas experiências resolvem um mistério de séculos e nos confirmam o conhecimento que os egípcios já tinham, e o que nós provavelmente já deveríamos ter. 

 

referências:

http://chc.cienciahoje.uol.com.br/os-egipcios-e-o-atrito/

http://gizmodo.uol.com.br/estudo-egipcios-piramides/

http://www.iflscience.com/physics/mystery-how-egyptians-moved-pyramid-stones-solved#qHZmGuk1YPP16Hqz.99

http://www.iflscience.com/physics/mystery-how-egyptians-moved-pyramid-stones-solved

https://journals.aps.org/prl/abstract/10.1103/PhysRevLett.112.175502

fechar