.>
Alguns conteúdos desta seção estão disponíveis apenas para quem estiver logado.
Caso tenha acesso, faça seu login aqui
CONTEÚDO PARCIALMENTE RESTRITO
FAÇA LOGIN

Quantos rios existem em São Paulo? Quais você sabe nomear? Como nossos rios se transformaram no que são hoje?

As inquietações acima foram o ponto de partida para o Projeto Pirajussara, iniciativa interdisciplinar (Biologia, Geografia, Química e História da Arte), para estudar a hidrografia da cidade em que vivemos. As turmas dos 1os EM, respondendo ao questionário inicial, se deram conta de que pouco sabem sobre o passado e o presente dos rios que tanto cruzamos em São Paulo, mas que só nos aparecem como inoportunos, muitas vezes. Assim, organizou-se uma breve saída a campo, com caminhada e pesquisa.

O campo, então, virou parte do projeto para conhecermos trechos da bacia hidrográfica do rio Pirajussara, na Zona Oeste de São Paulo, (onde o Ítaca e casas de muitos alunos se situam): elaboramos um perfil topográfico da bacia, a partir de imagens de satélite e cartas topográficas, para, em seguida, produzir maquetes de trechos da região, alguns dos quais visitamos em campo depois. Por fim, na saída a campo, coletas de água e registros diversos, materiais que serviram para análise posterior.
Iniciamos a caminhada de pouco mais de 3 horas na foz do Pirajussara, dentro da Cidade Universitária (USP), em direção ao Ítaca, na avenida Pirajussara, acompanhando o percurso desse rio principal da bacia, com pequeno desvio na praça dos Lagos (Vila Sônia) e no parque Chácara do Jockey. Foram feitas coletas em 6 paradas, possibilitando-se uma análise comparativa da qualidade da água em diferentes pontos do Pirajussara e afluentes.

Além da percepção do Pirajussara, com seus cheiros e imagens, bem como do entorno da bacia e dos bairros próximos, pôde-se realizar uma atividade pouco comum entre muitos adolescentes, no dias de hoje: caminhar a pé por São Paulo, observando cenas esperadas (trânsito, poluição do  rio e do ar...) e inesperadas (um pé de tomate carregado, à margem do rio...).

Certamente essa cidade e essas águas tão cotidianas e tão invisíveis no dia a dia aproximaram-se desses alunos e conseguiram se tornar presentes. 

 

+18
fechar