.>
8
outubro
2015
OS BRINQUEDOS DO ARTISTA TORRES-GARCÍA, na Biblioteca Mario de Andrade
postado sob arte, cultura, história
divulgação
divulgação
divulgação
divulgação
divulgação
pintura de Torres-García
divulgação
pintura de Torres-García
divulgação

Inspirado tanto pela experiência com seus filhos pequenos quanto pela atividade docente na escola progressista Mont D’Or (na cidade catalã de Tarrasa) – onde ministrou aulas de desenho –, o artista uruguaio Joaquín Torres García produziu, entre 1915 e 1916, uma série de brinquedos de madeira que, anos mais tarde, durante sua estadia nos EUA, ele registraria com a marca Aladdin Toys. Compostos por peças intercambiáveis que davam à criança a possibilidade de desmontá-los e voltar a montá-los livremente, os brinquedos permitiam uma interação diferente, na qual a forma poderia ser fragmentada, usufruída e reconstruída, conferindo  dinamismo à concepção.

Agora, temos a chance de conhecer bem de perto toda essa experiência lúdica, com a mostra na Mario de Andrade. Dedicada à família, a abertura da exposição contará também com oficinas para o público infantil.
 
Sobre o artista
Joaquín Torres-García nasceu em Montevideo, Uruguay, 28 de julho de 1874, filho de mãe uruguaia e pai catalão. Considerado o pai do Construtivismo latino-americano, viveria  por cerca de 40 anos nos Estados Unidos e Europa.
 
Devido a dificuldades econômicas, ele e a família voltaram à terra natal, em junho de 1891, e Torres-García passou a estudar desenho, na Escola Municipal de Artes e Ofícios de Mataró, e pintura com o artista Josep Vinardell (1851-1918).  Em 1892, sua família se mudou para Barcelona, onde ele continuou estudando Artes, na Academia de Bellas Artes, e, em seguida, na Academia Baixas além de frequentar o café Els Quatre Gats, onde artistas de vanguarda, como Pablo Picasso, e intelectuais e escritores se encontravam.  Nesse período, conheceu Antoni Gaudí, com quem colaborou, de 1903 a 1907, nas obras do Templo Expiatório da Sagrada Familia e nos vitrais da Catedral de Palma de Mallorca.

Em 1918, começou a projetar brinquedos de madeira como extensão de seus ensinamentos. Esses brinquedos, que variavam de formas simples a construções complexas, foram uma introdução ao que Torres-García iria fazer em sua obra de arte construtivista. Ele continuou com os brinquedos após se mudar para New York, em 1920; em 1922 eles foram colocados em produção na Europa.
Torres-García fixou-se em Paris, em 1926, e depois de ser rejeitado no Salão de Outono de 1928, começou seus experimentos no Construtivismo.
 
Seu trabalho equilibra formas naturais e elementos plásticos, muitas vezes incorporando signos de referência das culturas indígenas da América do Sul. 
Em 1929, Torres-García conheceu Piet Mondrian (1872-1944) e, com ele e  Michel Seuphor (1901-1999), formou o movimento Cercle et Carré (Circulo e Quadrado). O grupo surgiu como alternativa artística ao Surrealismo, movimento dominante na época em Paris. O grupo se apresentou ao público, em 1930, com um jornal homônimo e uma exposição de 46 artistas construtivistas, na Galerie 23 de Paris
Torres-García deixou o grupo em 1930, depois de muitos desentendimentos com Seuphor.
Após um curto período em Madri, onde ele lecionou e deu palestras, voltou ao Uruguai em abril de 1934. Ali, fundou a Asociación de Arte Constructiva (Associação de Artistas Construtivistas) e publicou o jornal Circulo y Cuadrado, que introduziu a arte dos vanguardistas do cubismo, neoplasticismo e construtivismo aos artists de no seu país.  
Publicou inúmeros artigos de Teoria da Arte e difundiu suas ideias, convidando os artistas, em 1935, a inverterem a tradicional hierarquia, colocando a América Latina em destaque sobre a Europa, em seu texto Escuela del sur . Seu mapa invertido das Américas é um forte ícone dessas ideias.
Torres-García teve diversas exposições individuais, incluindo uma no  Museo de Arte Moderna de Madrid (1933); Musée National d'Art Moderne de Paris (1955); Museo de Bellas Artes, Caracas, Venezuela (1980 e 1997) e a Sala Torres-García na Bienal em duas Bienais de São Paulo (1959 e 1991). Torres-García morreu dia 8 de agosto de 1949, em Montevideo.
 
Serviço
Torres García – El niño aprende jugando - exposição
Biblioteca Mario de Andrade
Rua da Consolação, 94
Telefone: (11) 3775-0002
Abertura: 11/10 domingo, às 14h
Local: Sala Oval
visitação gratuita:
de 12 de outubro a 15 de dezembro de 2015
segunda a sexta das 8:30h às 20:30h
sábado das 10:00h às 17:00h
 
Referências
http://www.guggenheim.org/new-york/collections/collection-online/artists/bios/1029/Joaqu%C3%ADn%20TorresGarc%C3%ADa
http://www.ceciliadetorres.com/pdf/artbio_1.pdf
http://jtorresgarcia.com
https://www.facebook.com/BibliotecaMariodeAndrade/info?tab=page_info
http://www.prefeitura.sp.gov.br/cidade/secretarias/cultura/bma/programacao/index.php?p=12096

 

fechar