.>
31
julho
2017
Exposição virtual
Povos Indígenas no Brasil 1980/2013
reprodução ISA
reprodução ISA
reprodução ISA
reprodução ISA
reprodução ISA

Retrospectiva em imagens da luta dos povos indígenas no Brasil por seus direitos coletivos

A exposição, organizada pelo ISA e pelo Programa para Povos Indígenas da Embaixada da Noruega, mostra fotos e filmes dos últimos 36 anos, período em que os povos indígenas do Brasil saíram da invisibilidade para entrar na agenda do Brasil contemporâneo. O processo que teve como marco o capítulo dos direitos indígenas da Constituição de 1988.

Inaugurada em 2013 na Praça Externa do Museu Nacional em Brasília, a mostra fotográfica fez parte das comemorações dos 30 anos do Apoio Norueguês aos Povos Indígenas no Brasil e dos 25 anos da Constituição. O projeto foi uma realização da Embaixada da Noruega no Brasil e do Instituto Socioambiental (ISA), e itinerou até 2015, passando por São Paulo (SP), Brasília (DF), Manaus (AM) e Belém (PA).

Desde abril passado, em uma parceria com Google Arts & Culture,  a mostra ganhou uma versão digital e atualizada composta por fac-símiles de publicações, vídeos, áudios e 22 fotos, com momentos e personagens históricos do movimento indígena brasileiro.

As imagens retratam a batalha pelo reconhecimento das Terras Indígenas; a resistência às invasões de suas terras; o apoio de artistas como Milton Nascimento; a apropriação das tecnologias de comunicação; entre outros temas.
“Pretende-se que essas imagens sirvam de referência para as narrativas dos seus protagonistas, assim como para o aprendizado das novas gerações”, comenta Beto Ricardo, do ISA, curador da exposição e editor do livro Povos Indígenas no Brasil 2011/2016.

VISITE A MOSTRA VIRTUAL
http://bit.ly/2uQglfB

Referências
https://www.socioambiental.org/pt-br/noticias-socioambientais/luta-dos-povos-indigenas-no-brasil-vira-exposicao-digital
http://amazonia.org.br/2017/04/luta-dos-povos-indigenas-no-brasil-vira-exposicao-digital/
https://conexaoplaneta.com.br/blog/povos-indigenas-no-brasil-livro-destaca-retrocessos-mobilizacoes-mas-tambem-maior-participacao-das-mulheres/

fechar