.>
NOTÍCIAS
O QUÊ
assunto
QUANDO
2024
2023
2022
2021
2020
2019
2018
2017
2016
2015
2014
2013
Alguns conteúdos desta seção estão disponíveis apenas para quem estiver logado.
Caso tenha acesso, faça seu login aqui
postado sob arte, cultura
imagem: reprodução
Mãe senhora e Carybé
imagem: reprodução
imagem: reprodução
imagem: reprodução

A exposição As Cores do Sagrado, em cartaz na Caixa Cultural, Praça da Sé, é um rico apanhado da obra do pintor Carybé, abordando as tradições e os ritos do candomblé, religião de origem africana. A mostra apresenta aquarelas do artista e tem curadoria de sua filha Solange Bernabó, secretária do Instituto Carybé e membro do Conselho Curador da Fundação Casa de Jorge Amado. As imagens da exposição foram produzidas ao longo de três décadas (1950 a 1980) e registram as vivências do artista em terreiros de candomblé. Carybé retratou as cerimônias (ritos de iniciação, festas, incorporação dos orixás e rituais fúnebres) com precisão e detalhes. Uma de suas principais obras, que faz parte da mostra em São Paulo, é Mãe Senhora, sobre a famosa mãe de santo baiana, de quem Carybé foi amigo. 

Quem foi Carybé?
Definido como “argentino no nascimento, carioca por criação e baiano por opção”, o artista Carybé, cujo nome de batismo era Hector Julio Páride Bernabó, nasceu em 1911, na Argentina, viveu no Rio de Janeiro e depois em Salvador, lugar que considerava especial. Foi um dos mais produtivos e inquietos artistas que viveram no Brasil. Além de pintor, foi gravador, desenhista, ilustrador, mosaicista, ceramista, entalhador, muralista. Frequentou o ateliê de cerâmica de seu irmão mais velho, Arnaldo Bernabó, no Rio de Janeiro, por volta de 1925. Entre 1941 e 1942, viajou por países da América do Sul. De volta à Argentina, traduziu com Raul Brié, para o espanhol, o livro Macunaíma, de Mário de Andrade (1893 - 1945), em 1943. Nesse mesmo ano, realizou sua primeira individual na Galeria Nordiska Kompainiet, em Buenos Aires. 

Em 1944, viajou para a Bahia e se encantou pela cultura local.  Desde 1950, quando se fixou definitivamente em Salvador, Carybé interessou-se especialmente pela religiosidade e pelos costumes locais e também pelo cotidiano de pessoas humildes, como pescadores, vendedores ambulantes, capoeiristas, lavadeiras e prostitutas, temas constantes em sua produção. 

Na Bahia, participou ativamente do movimento de renovação das artes plásticas, ao lado de Mario Cravo Júnior (1923), Genaro (1926 - 1971) e Jenner Augusto (1924 - 2003). Em 1957, naturalizou-se brasileiro. Publicou, em 1981, Iconografia dos Deuses Africanos no Candomblé da Bahia, pela Editora Raízes. Ilustrou livros de Gabriel García Márquez (1928), Jorge Amado (1912 - 2001) e Pierre Verger (1902 - 1996), entre outros.
O artista realizou ainda diversos painéis, como o que se encontra no Aeroporto J. F. Kennedy, de Nova York, no qual trabalhou com diversos materiais, e o que fez para o Banco da Bahia, composto por 27 pranchas esculpidas em cedro representando os orixás do candomblé.

Por quase toda a sua vida, acreditou que o apelido Carybé provinha de um pássaro da fauna brasileira. Somente muitos anos depois, através do amigo Rubem Braga, descobriu que a sua alcunha significava 'mingau ralo', o que lhe rendeu diversas brincadeiras.

Frequentador do terreiro de candomblé Ilê Axé Opô Afonjá, Carybé morreu aos 86 anos, no dia 1° de outubro de 1997, em Salvador, durante uma cerimônia no próprio terreiro. O artista deixou como legado mais de 5.000 trabalhos, entre pinturas, desenhos, esculturas e esboços.

As 50 obras desta mostra, fazem parte das 128 incluídas no livro “Iconografia dos Deuses Africanos no Candomblé da Bahia“, de 1981, com introdução de Jorge Amado e textos de Pierre Verger e Waldeloir Rego – esgotado e, hoje em dia, item de colecionador. É uma oportunidade única de ver esse trabalho. As Cores do Sagrado passou por Salvador, Recife e Rio de Janeiro e fica em cartaz na Caixa Cultural até 28 de fevereiro.  Não perca!


Carybé – As Cores do Sagrado
10/12/16 a 28/02/17, de terça a domingo das 9h às 19h
Caixa Cultural São Paulo: Praça da Sé, 111, Centro, SP
(11) 3321-4400
Entrada franca

Referências:
http://agenciabrasil.ebc.com.br/cultura/noticia/2017-01/exposicao-sobre-candomble-traz-aquarelas-do-artista-carybe
http://enciclopedia.itaucultural.org.br/pessoa1199/carybe
http://www.lilianpacce.com.br/e-mais/as-lindas-aquarelas-de-carybe-em-exposicao/
http://www.meioemensagem.com.br/home/ultimas-noticias/2016/12/05/caixa-cultural-recebe-carybe.html
https://educacao.uol.com.br/biografias/carybe-hector-julio-paride-bernabo.htm

fechar