.>
NOTÍCIAS
O QUÊ
assunto
QUANDO
2024
2023
2022
2021
2020
2019
2018
2017
2016
2015
2014
2013
Alguns conteúdos desta seção estão disponíveis apenas para quem estiver logado.
Caso tenha acesso, faça seu login aqui
+9

 

CLIQUE AQUI E VEJA NOSSAS AÇÕES PEDAGÓGICAS

Elaborar pelo terceiro ano consecutivo a linha do tempo sobre as “Ações pedagógicas sobre questões raciais e afro-brasileiras” é um momento de revisão e reflexão que evidencia novembro como um mês de colocar em destaque currículo, saberes e práticas afro centradas  que pautam o dia a dia da escola o ano todo.

Nesta linha do tempo, encontramos autores, literatura, podcasts, vídeos, documentários, textos etc. que também ampliam nossos repertórios pessoais, porque é vasto o campo pessoal do letramento racial, para todos e todas, escola, educadores, famílias, alunos. Tempo de revisão das lógicas e percepções internas, que devem constantemente ser revisitadas e re-elaboradas.

Uma escola é um organismo vivo que renova suas investigações nesse extenso horizonte de debate e reflexão sobre o racismo. Clarissa Brito nos chama a atenção para a necessária naturalização do protagonismo negro nas mais diversas áreas de conhecimento e das relações humanas e sociais.

Nesse  caminho, seguimos. 

Pentes desenhados pelos quintos anos e produzido no Espaço Maker

 

Dizem os historiadores que o pente-garfo teve origem há cerca de 6 mil anos, na África. Sua simbologia contemplava as qualidades de uma pessoa, como sua origem e cultura.

Um dos livros escolhidos para adoção nos quintos anos em 2023, Os nove pentes d`África, de Cidinha da Silva, trouxe esse tema singular e atrativo, englobando questões identitárias e africanidades, a partir do resgate de memórias, ancestralidades e vivências que precisam ser preservadas, de modo a entender-se o passado, ressignificá-lo e compreender o presente. É necessário reconhecer a cultura africana como matriz de muitos saberes para além do próprio continente de origem, o que inclui, de forma expressiva, sua presença na formação da cultura brasileira.

Alunos e alunas dos 5º anos encantaram-se com a leitura dessa sensível obra de Cidinha da Silva, invocando lembranças e laços com entes queridos de muitas gerações. E, no nosso Espaço Maker, confeccionaram pentes, projetando um desenho personalizado e endereçado a uma pessoa escolhida entre seus afetos e memórias .

Com sua obra, Cidinha da Silva nos presenteia com pentes presentes cheios de passado que nos ajudam a destrinçar o futuro. Seus pentes são pontes de compreensão entre o que somos nós, negros brasileiros agora, nossos avós recentes e os tais ancestrais africanos. E ponte entre nós e nossos sobrinhos, os que vêm depois de nós. 
Chico César 

Em outro grupo do Fundamental 1, nossos 4os anos, a escritora Cidinha da Silva também se fazia presente, com a leitura do livro Kuami.

Quartos e quintos anos, por fim, celebraram essa importante autora por meio de um encontro, apresentando seus ditos e feitos relativos às duas obras, Os nove pentes d`África e Kuami. Pelos alunos dos quartos anos, músicas presentes na narrativa de Kuami foram levadas para o encontro e, pelos alunos dos quintos anos,  outros pentes, dessa vez para presentear os colegas.

Pentes presentes para os alunos dos quartos anos

 

Entre músicas e pentes, vívidas expressões de uma cultura de origem africana presente e potente, entre nós e na história da humanidade. Cada criança reconhecendo o seu lugar integrado nesse encontro de saberes e parceria.

Abaixo, registros da música O meu lugar, de Arlindo Cruz, feitos pelos alunos dos quartos anos.

 

+13
postado sob 2023, EM, estudo do meio
+22

 

Esses são os dois pilares do Estudo do Meio do 1º ano do Ensino Médio: a viagem ao Vale do Ribeira, São Paulo, permitiu conhecer paisagens não habituais e comunidades e pessoas com ocupações e modos de vida bastante diferentes do cotidiano de alunos e alunas.

As visitas aos quilombos de Ivaporunduva e do Galvão permitiram percepções, conversas, brincadeiras e trocas que suscitaram muitas questões e reflexões sobre a realidade local e nossa própria vivência, permitindo estabelecer pontes entre ambas, apesar das diferenças, e possibilitando o debate sobre a contemporaneidade e a importância da questão quilombola.

Em outro momento, Apiaí, ponto de entrada para o PETAR (Parque Estadual Turístico do Alto Ribeira), localizada numa região declarada pela UNESCO como Reserva da Biosfera do Patrimônio Mundial. As vivências e contatos nessa cidade trouxeram impressionante riqueza de paisagens naturais e também de figuras humanas, além da chance de conhecer a rica tradição ancestral de artesanato de argila e seu fabrico, criando peças, sob a orientação de experientes artesãs.

E o mundo conhecido tornou-se também inesperado, com as visitas a algumas das mais de 400 cavernas do Parque (considerado, aliás, uma das Unidades de Conservação mais importantes do mundo): de repente, no interior da Terra, esses espaços deslumbrantes, batizados como Água Suja, Alambari de Baixo e outros, cercados pela exuberância da Mata Atlântica. E discutiu-se preservação e turismo de base comunitária x turismo exploratório. Um enorme contraponto foi a visita, depois, à bela e vizinha Caverna do Diabo, que, nos 600m abertos ao público, dispõe de sistema de luz, passarelas, escadas e corrimãos...

Realidades e diversidades. Viaje um pouco com a turma.

postado sob ciências, EF1, EF2, EM, evento
+72

 

No dia 21 de outubro, tivemos o prazer do reencontro, agora novamente presencial, entre estudantes, professores, pesquisadores e público em geral, na 7ª edição do nosso Vivenciando as Ciências.

Desde 2011, realizamos a cada dois anos esse evento, com a participação de professores e de estudantes do 1º ano do Ensino Fundamental ao 3º ano do Ensino Médio do Ítaca, além de grande adesão de pais, mães, ex-alunos que apresentaram trabalhos, palestras e oficinas ou formaram um público curioso e interessado.

A ideia original permanece a mesma: um dia para ver, ouvir e fazer Ciência: são inúmeras atividades ligadas às Ciências da Natureza e à Matemática, em distintas áreas e subáreas do conhecimento científico: Física, Biologia Química, Astronomia, Medicina, Ciências Biomédicas, Geometria entre tantas outras.

O encontro - dinâmico, instigante e divertido (por que não?) - faz do Vivenciando uma imersão na teoria e na prática científicas. E, ainda, o intercâmbio com profissionais das diferentes áreas coloca estudantes em contato com a realidade da vida profissional, ajudando a refletir sobre desejos e sonhos de possíveis carreiras.

Tudo valeu a pena!!

fechar