.>
Alguns conteúdos desta seção estão disponíveis apenas para quem estiver logado.
Caso tenha acesso, faça seu login aqui

O ouro e o diamante alavancaram a prosperidade das artes e a qualidade de vida daquelas que são conhecidas como cidades “históricas” mineiras. Elas são importantes marcos do desenvolvimento de sua época e exemplos de expressão artístico-cultural.

Manifestações artísticas na escultura e na pintura constituem o Barroco mineiro e posteriormente o Rococó.  Artistas renomados e seus discípulos nos legaram sua obra por meio de trabalhos incríveis e extensos, capazes de encantar não só por sua expressão como também por sua qualidade. As artes mineiras têm um estilo próprio, não sendo apenas mais uma simples cópia de seus predecessores europeus. 

Também a literatura soube contar a sociedade e seus costumes sob as rígidas regras do estilo barroco. Mais tarde, poetas neoclássicos “habitaram a Arcádia” com seus poemas campestres e prazerosos, valorizando o "carpe diem". Todos esses percursos são uma vasta realidade a ser constatada pelos nossos alunos através de atividades interdisciplinares de Artes, Geografia, História e Português. 

Em contraste com esse universo, a fazenda Inhotim se insere no coração do Barroco mineiro, encravada como um templo da arte contemporânea no país. 

Acompanhados por professores do Ítaca e guiados pela Uggi – Educação ambiental, os alunos do 9º ano, nesta viagem de estudo do meio de quatro dias (na semana de 28/08/2018), vivenciaram essa junção de olhares frente ao passado e ao futuro, num mergulho profundo em considerável parte da Cultura Brasileira. Conhecendo localidades que estão além dos marcos históricos - uma vez que são consideradas centros culturais arquitetônicos de rara composição urbana e originalidade de projetos - eles penetram não apenas na história do país como também nas profundezas das terras mineiras. 

Veja a galeria de fotos AQUI.
 

+5
postado sob arte, EM, Ítaca
+1

Precisamos conhecer e usar o que de bom a cidade oferece; devemos nos apropriar do que é público, de maneira prazerosa, respeitosa e produtiva: parques, exposições, museus e por aí vai.

Aqui no Ítaca, fizemos incursão por um local que foi também uma novidade para todos: um fablab da prefeitura de São Paulo, no Parque da Chácara do Jóquei, vizinho ao colégio: uma oficina que oferece fabricação digital, equipada com ferramentas controladas por computador.
O acesso é livre e gratuito, e há monitores que auxiliam na empreitada (ver em:  http://fablablivresp.art.br/projetos)

Como etapa do projeto Grafite, o 3º EM foi com o professor Renato Izabela, de História da Arte, a esse fablab para recortar a laser as máscaras para a grafitagem, a partir dos desenhos feitos pelos alunos. 

Por enquanto, em processo de criação, logo teremos os resultados e mostraremos aqui também.

O QUE É UM FABLAB?

O Fab Lab Livre SP é uma rede de laboratórios públicos - espaços de criatividade, aprendizado e inovação acessíveis a todos interessados em desenvolver e construir projetos. Através de processos colaborativos de criação, compartilhamento do conhecimento, e do uso de ferramentas de fabricação digital, o Fab Lab Livre SP traz à população de São Paulo a possibilidade de aprender, projetar e  produzir diversos tipos de objetos, e em diferentes escalas.

Os laboratórios são equipados com impressoras 3D, cortadoras a laser, plotter de recorte, fresadoras CNC, computadores com software de desenho digital CAD, equipamentos de eletrônica e robótica, e ferramentas de marcenaria e mecânica. Os Fab Labs Livre SP contam com uma equipe dinâmica que incentiva o aprendizado compartilhado e a criatividade através do fazer, realizando cursos e orientando o desenvolvimento de projetos.

Frutos de uma parceria entre a Secretaria Municipal de Inovação e Tecnologia da Prefeitura Municipal de São Paulo e o Instituto de Tecnologia Social, os Fab Labs Livre SP são abertos e acessíveis a todas as pessoas que tenham interesse em aprender, desenvolver e construir projetos coletivos ou pessoais, envolvendo tecnologia de fabricação digital, eletrônica, técnicas tradicionais e práticas artísticas.

São oferecidas oficinas, cursos e palestras, disseminando a produção do conhecimento em tecnologia, ciência, arte e inovação. Através de um processo humanizado as atividades de ensino estimulam o compartilhamento da informação e construção coletiva de ideias. Os Fab Labs Livre SP democratizam o acesso às novas tecnologias de fabricação digital, disponibilizando à população ferramentas tecnológicas de última geração e vivência em grupo em um ambiente colaborativo e inovador.

Ao todo são doze laboratórios que integram a Rede Publica de Laboratórios de Fabricação Digital, abrangendo todas as regiões do Município de São Paulo. A rede de laboratórios Fab Lab Livre SP objetiva fomentar o desenvolvimento de ideias criativas e inovadoras que beneficiam a comunidade e o surgimento de novas oportunidades profissionais.

postado sob EF2, esporte
+3

Nosso aluno Márcio Maschio, do 9º EF2, voltou da Argentina, onde disputou com países latino-americanos o campeonato dos Jogos Pan-Americanos de Tchouckball 2018.

Sua equipe, (M 15) da Seleção Brasileira do esporte, classificou-se em 3º lugar (as equipes brasileiras de todas as categorias também subiram ao pódio, sendo que a M18, a M40 e a Adulto M (acima de 40 anos) ficaram com o primeiríssimo lugar, esta última tornando-se hexacampeã).
Veja as classificações:
M 12 - 2º lugar
M 15 - 3º lugar 
M 18 - 1º lugar
Adulto M - 1º lugar (hexacampeã)
Adulto F - 2º lugar
Adulto M 40 - 1º lugar

O Tchoukball, que também é ensinado nas aulas de Educação Física do EF 2, no Ítaca, nasceu na década de 1970, das reflexões e pesquisas do médico suíço Dr. Hermann Brandt, que durante toda sua carreira cuidou de inúmeros atletas que se contundiam na prática de esporte. 

A partir de seus estudos, o Dr. Brandt constatou que as lesões ou os traumatismos dos atletas eram decorrentes de movimentos inadequados à fisiologia do indivíduo e às numerosas formas de agressões presentes em alguns esportes. Sua análise reforçou esta inquietude quanto ao valor educativo dos esportes modernos que, segundo ele, não podem fundamentar-se na fabricação sistemática de campeões, mais sim "contribuir na edificação de uma sociedade humana viável" (BRANDT, H. Etude critique scientifique des sports d'équipe. Le Tchoukball. Le sport de demain! Genève: Editions Roulet, 1971).

A partir dessa constatação, o Dr. Brandt criou um novo jogo, o Tchoukball, o qual expõe na obra, sobre os esportes de equipe. Este esporte apresenta-se como uma mistura da Pelota Basca, de Handebol e do Voleibol e caracteriza-se pela eliminação de todas as formas de agressões corporais entre os adversários.

Com caráter lúdico, o Tchoukball é conhecido por incitar cada individuo a praticá-lo independentemente da sua idade, sexo ou capacidade atlética.

fechar