.>
Alguns conteúdos desta seção estão disponíveis apenas para quem estiver logado.
Caso tenha acesso, faça seu login aqui
postado sob 2020, ciências, química
+3

Os Elementos: uma Exploração Visual dos Átomos Conhecidos no Universo

O livro de Theodore Gray, lançado em 2011 no Brasil pela editora Blucher (traduzido pelo professor Henrique Eisi Toma, do Instituto de Química da Universidade de São Paulo), voltou à tona no ano passado, quando a tabela periódica completou 150 anos da publicação de sua primeira versão.

Em dezembro de 2017, a Organização das Nações Unidas declarou o ano de 2019 como o Ano Internacional da Tabela Periódica, em reconhecimento à importância da crescente constatação global de como a Química promove o desenvolvimento sustentável e fornece soluções para os desafios globais nos campos da energia, educação, agricultura e saúde.

Em 1869, o químico Dmitri Mendeleev publicou a primeira versão amplamente reconhecida da tabela. Desde então, essa tabela tem sido expandida e refinada com a descoberta ou sínteses de novos elementos e o desenvolvimento de modelos teóricos para explicar o comportamento químico.

Antes dele, em 1789, Antoine Lavoisier publicou uma lista de 33 elementos químicos, agrupando os elementos em substâncias simples, metálicas, não metálicas e salificáveis ou terrosas. Outros químicos passaram o século seguinte identificando relações entre pequenos grupos de elementos, tentando elaborar uma construção mais precisa, mas não havia ainda um esquema capaz de abranger todos eles.

A fabulosa coleção de elementos químicos
Theodore Gray é dono de uma coleção de milhares de amostras, peças e produtos; ele reuniu seu vasto conhecimento em um fabuloso acervo de imagens para compor um livro-aplicativo, também disponível no formato app pela plataforma da Apple.

A obra  “Os elementos” apresenta de forma lúdica a tabela periódica tal qual a conhecemos hoje, com ótima qualidade de imagens de seus 118 elementos. São apresentadas as características e propriedades físicas e químicas, e suas aplicações. Apesar de curtos, os textos possuem conteúdos consistentes, segundo resenha do Jornal do Conselho Regional de Química da IV Região. Cada elemento é acompanhado de um texto com sua história, ano e local de descobrimento e fatos fascinantes.

Ao longo do livro, há considerações sobre o possível papel benéfico ou danoso que os elementos – e suas substâncias – podem ter no organismo humano e na natureza. Há, por exemplo, diversos alertas sobre determinados suplementos alimentares que prometem benefícios não comprovados, alguns dos quais até perigosos.
Porém Gray não aborda só aplicações cotidianas dos elementos e suas substâncias, mas apresenta também aspectos menos conhecidos da ciência dos materiais.

Alguns textos que acompanham os elementos químicos:
 
Flúor: “O flúor está entre os mais reativos de todos os elementos. Passe uma corrente de flúor gasoso em praticamente qualquer coisa e ela irromperá em chamas. Isso inclui coisas que não são normalmente consideradas inflamáveis, até o vidro.”

Potássio: “Bananas radioativas! Ao menos é assim que a manchete seria lida se o repórter tivesse apenas a metade dos fatos. A verdade é que virtualmente tudo o que você come é radioativo, as bananas são apenas um pouco mais. Bananas são ricas no importante nutriente potássio, e por volta de um centésimo de 1% dos átomos de potássio são do isótopo radioativo 40K.”

Para quem domina o inglês, é recomendável que leia no original, pois Gray utiliza-se de vários trocadilhos, que se perdem um tanto na tradução.
Se você optar por adquirir a obra no formato de aplicativo, há ainda a possibilidade de interagir com grande parte das imagens – rotacionando o objeto registrado para vê-lo melhor.

Onde comprar a versão digital:
https://apps.apple.com/br/app/os-elementos-por-theodore-gray/id364147847

Algumas referências:
http://cienciahoje.org.br/artigo/na-estante-356/
https://www.tabelaperiodica.org/the-elements-livro-de-theodore-gray/
https://pt.wikipedia.org/wiki/Tabela_periódica

 

 

 

fechar