.>
Alguns conteúdos desta seção estão disponíveis apenas para quem estiver logado.
Caso tenha acesso, faça seu login aqui
postado sob arte, cultura, Ítaca
as dobraduras, vindas do Japão para serem doadas ao Ítaca
Cristiane Nakagawa, psicanalista, mãe de aluna do Ítaca
o tsuru e a dobradura de aviãozinho, doados ao Ítaca
+3

Estas dobraduras simbolizam as memórias e o legado de Shozo Kawamoto, sobrevivente do bombardeio atômico de Hiroshima em 1945, durante a Segunda Guerra Mundial. Kawamoto faz dobraduras de tsurus (pássaros) e aviões, há várias décadas. Visitado pela psicanalista brasileira Cristiane Nakagawa, mãe da nossa aluna Ingrid Mai N. Theodoro, disse-lhe que dobraria alguns especialmente para que ela pudesse presentear crianças e pessoas que lhe fossem especiais. Cristiane escolheu o Ítaca para presentear. 
 
Shozo complementou: “Fale para elas que quem os fez com muito carinho foi o último órfão de Hiroshima e conte que o tsuru é o legado deixado pela Sadako, uma hibakusha [sobrevivente do bombardeio atômico] que tinha 2 anos no dia da explosão. Após a guerra, ela teve leucemia e acreditava que dobrando mil tsurus não morreria. Ela não conseguiu terminar de dobrar os mil tsurus, pois morreu antes. Mas nós, hibakusha, continuamos a dobrar seus tsurus respeitando o legado da esperança de Sadako. E, durante a guerra as crianças não podiam ter brinquedos. Minha mãe, escondido, fazia aviões de papel para brincarmos. Uma mulher que no meio da guerra nos fazia brinquedos, que amava os filhos e cuidava de nós da melhor forma possível. Então, também faço aviões de papel sendo pilotados pelos tsurus. E são distribuídos. Assim, o legado de minha mãe será sempre acompanhado pelo legado de Sadako, que fazia os tsurus. Esperança e amor.”

Abaixo, o PDF com texto completo da Cristiane, sobre a história dos tsurus.

 

fechar